Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Abiu, uma delícia amazônica

Nativo da região Norte do Brasil, fruto é rico em nutrientes e indicado para combater doenças pulmonares

Forest and Kim Starr / Flickr: Starr Environmental / CC BY 2.0

Com a chegada de frutos como a maçã e a laranja, o consumo do abiu entrou em declínio

O abiu (Pouteria caimito) é um fruto muito presente na alimentação dos povos indígenas da região oeste do Estado do Amazonas. Sua origem provável é a Amazônia colombiana. Também chamado de abi ou abiurana, é bastante cultivado em pomares caseiros e pode ser encontrado atualmente em várias regiões do país. Mas nem sempre foi assim. Igualmente ao pequiá (Caryocar villosum) e ao uxi (Eudoplera uchi), o abiu perdeu a concorrência para algumas frutas estrangeiras, como a maçã (Malus domestica Borkh) e a pêra (Pyrus communis L.), no período da colonização portuguesa.

Abiu (Pouteria caimito)

O abieiro é uma árvore de porte médio, cuja altura pode variar de 4 a 10 metros. Sua madeira é utilizada em construções e o látex retirado do tronco é empregado para fazer desde borracha até remédios para verminose, herpes e verrugas. O fruto possui geralmente um formato redondo, mas é comum ver alguns com um perfil mais alongado. A maioria deles tem porte pequeno, mas a variedade roxa se distingue das demais por ser mais graúda.

De acordo com o nutricionista Marcello Balido, “o fruto é rico em vitaminas B2, B12 e C, além de ferro, fósforo, fibras, proteínas, gorduras e carboidratos”. Para melhorar, ele possui poucas calorias, cerca de 62 kcal/100 g, e é muito indicado para tratar problemas de anemia, febre, dor de ouvido e diarreia. Suas propriedades expectorantes são excelentes para casos de pneumonia, asma e bronquite.

Uma boa dica para cuidar de problemas pulmonares com o abiu é cozinhá-lo com água e sal e tomar o caldo morno com um pouco de mel várias vezes ao dia. Para atenuar complicações no ouvido (orelha interna), como inflamações (otites) ou dores (otalgias), basta pingar algumas gotas do azeite das sementes. Já o chá da casca dessa fruta ajuda a diminuir febre e a tratar disenteria.

Conhecido por sua polpa gelatinosa, transparente, esbranquiçada e seu sabor doce, o abiu pode ser ingerido in natura ou em forma de geleias, sucos, sorvetes ou saladas de frutas. Em média, o abiu dura até uma semana quando refrigerado. Para Balido, ele pode ser consumido por qualquer pessoa, desde que alguns cuidados sejam tomados. “Se optar por consumi-lo diretamente do pé, o melhor é pegar os mais amarelos, pois os menos maduros liberam um líquido branco desagradável que pode trazer queimação no estômago”, completa.

Foto 2: Plant Illustrations

Veja também
Goiaba: a saúde e o sabor das Américas
Jabuticaba: a saúde dos nossos quintais