Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Últimos Acessos

Saiba mais sobre

Café com leite e formol

Ministério Público encontra substância cancerígena em lotes distribuídos em São Paulo e Paraná

Kyle May/ Flickr Kyle May /CC by 2.0

Soda cáustica, elemento corrosivo, também foi dectada em algumas amostras

Leite com formol e soda cáustica foi distribuído nos estados do Paraná (PR) e São Paulo (SP). Na quarta fase da Operação Leite Compen$ado, que desvenda esquemas de adulteração no produto, o Ministério Público do Rio Grande do Sul revelou que cerca de 300 mil litros de leite contaminados foram adquiridos pela LBR Lácteos Brasil SA.

A empresa comercializou a mercadoria com as marcas Líder, na cidade de Lobato (PR), e Parmalat em Guaratinguetá (SP). Não foi possível identificar o número dos lotes, mas a fabricação está datada dos dias 13 e 14 de fevereiro.

A fraude foi revelada por testes químicos realizados em 12 amostras de leite cru coletadas de uma unidade de resfriamento na cidade de Condor, 380 km de Porto Alegre (RS). As análises apontaram a presença de ureia no produto. O composto contém formol, substância considerada cancerígena. Não é a primeira vez que a operação encontra esse elemento. Na primeira fase, em maio de 2013, o MP apontou que formol era adicionado ao leite recolhido das cidades de Ibirubá, Horizontina e Guaporé.

A intenção dos criminosos foi mascarar a adição de água, compensando os déficits nutricionais.Também foram encontradas doses de soda cáustica, elemento que pode ser altamente corrosivo para os tecidos internos do organismo.

Quem consome leite adulterado não percebe os efeitos de imediato, as consequências podem surgir em longo prazo, segundo alerta do Ministério da Agricultura. 

O proprietário do posto de resfriamento de Condor foi detido. Em nota, a empresa LBR afirmou que retirou os lotes assim que teve conhecimento das denúncias e que os produtos foram submetidos a todos os testes exigidos pela legislação e nenhuma anormalidade havia sido detectada.

Leite vencido

Dois dias antes da quarta etapa da operação, o MP do Rio Grande do Sul também recolheu amostras de leite da cidade de Entre-Ijuís, noroeste do estado. As análises, divulgadas recentemente, indicaram elevada acidez, evidência de que o leite já estava apodrecido. Além disso, o órgão detectou irregularidades no transporte das mercadorias.   

Capítulos anteriores

Na segunda etapa da Operação Leite Compen$ado, outros dois núcleos de fraude foram revelados nos municípios de Rondinha e Três de Maio. E, em novembro de 2013, água oxigenada também foi detectada no leite oriundo de Nova Candelária e, novamente, de Três de Maio na terceira fase da operação.