Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Uma educação para o presente

Regina Migliori defende programa que prevê a inserção de práticas milenares como meditação nas escolas

Shutterstock

“É importante percebermos os mecanismos pelos quais a educação nos condiciona”, alerta a educadora

Regina Migliori, fundadora e diretora do Instituto Migliori, defende a inserção de técnicas como a meditação e tai chi chuan na rotina escolar e por isso formulou um programa que questiona e modifica o modelo formal de educação.

Migliori comenta que é normal as crianças serem pressionadas com a pergunta: “O que você quer ser quando crescer?”. Professor, veterinário, astronauta estão entre as repostas mais frequentes. Sonhar faz bem. Mas a preocupação excessiva com o que cada um irá ser, diz ela, faz com que o jovem se esqueça de que ele já é alguém nesse exato momento e que é importante reconhecer-se no tempo presente.

“O processo educativo viciou-se em um posicionamento no qual o desenvolvimento humano resulta em algo que vai acontecer a longo prazo e com isso se negligencia da circunstância de vida presente”, afirma Migliori. “A vida é agora, ela acontece nesse momento. É nele que os seres humanos precisam se perceber felizes, competentes e inteligentes.”

 

O Instituto Migliori propõe que uma das maneiras de promover o desenvolvimento humano de modo mais completo é através da inserção de técnicas milenares na rotina escolar. A pedagoga ressalta que, apesar da educação formal priorizar os conteúdos compreendidos na estrutura curricular, também é função do processo educacional desenvolver nossa competência amorosa, nossa capacidade de sermos compassivos, de minimizarmos o sofrimento e produzirmos felicidade.

 

O programa proposto pelo instituto prevê etapas para que as escolas se adaptem aos novos hábitos. As fases vão desde formar instrutores para as atividades até o envolvimento da família e da comunidade com o processo. “O programa que vem sendo implantado nas escolas integra práticas contemplativas, neurociência e educação com foco em valores”, explica Migliori.

 

É necessário tomar cuidado para que essas novas atividades não sejam inseridas apenas como mais uma disciplina no ambiente escolar. “Isso não pode ficar simplesmente como uma pauta de conteúdo a ser trabalhada e sim ser visto como um objetivo de educação e uma meta do desenvolvimento humano”, sentencia.


Veja mais:
Meditação também é ciência
II Encontro de Mindfulness e Promoção da Saúde
A medicina indígena e do candomblé
Geshe Lobsang Tenzin Negi: equilíbrio entre o material e o espiritual no mundo
SUS já oferece acupuntura e homeopatia
Meditação cristã no mosteiro de São Bento