9 tipos de fome: como identificá-los

A nutricionista Luiza Camargo explica sobre os nove tipos de fome e fala sobre como o mindful eating pode ajudar a lidar com cada um no dia a dia

Quem nunca teve fome ao sentir um cheiro gostoso ou ao olhar para aquele prato cheio de alimentos apetitosos? O ser humano é muito instintivo e acaba por fazer opções baseadas no que vê, sente ou toca. E isso também acontece com a fome. Mas você sabia que nem todas as fomes são iguais? De acordo com o mindful eating, existem 9 tipos.

“A gente tem 9 tipos de fome, que são a fome do olho, da boca, do nariz, do tato, do ouvido, do estômago, das células, da mente e do coração”, declara a nutricionista Luiza Camargo. O problema é que muitas vezes as pessoas não sabem como discernir entre elas e acabam por negligenciar o que realmente o corpo precisa.

A fome dos olhos é aquela estimulada pela visão, é olhar para aquele prato bonito e pensar: “nossa, deve estar muito bom”. A fome da boca é aquela em que precisamos sentir o alimento, sua textura, seu sabor.

Provavelmente você já ouviu alguém falar que não gosta de determinado alimento porque o cheiro não é muito agradável. A fome do nariz é assim, é sentir a comida pelo cheiro, é isso que irá te conquistar. A fome do tato é ter que tocar no alimento para senti-lo, exemplo comer um pedaço de pizza.

A fome do ouvido é aquela que é instigada pelo som, pelo som dos alimentos ao mastiga-los. A fome do estômago é quando você consegue escutar o ruído que o órgão faz, mas não se engane, nem sempre o que você está sentindo pode vir do estômago. É preciso estar atento para discernir se é mesmo fome, já que problemas como a ansiedade podem gerar sintomas parecidos no corpo.

A fome das células é quando o nosso corpo sabe que precisamos de determinados nutrientes, quando o corpo começa a apresentar alguns sintomas de deficiência. A fome da mente é quando os pensamentos dominam nossa fome. Você não está com fome, mas a ansiedade faz com que coma tudo o que quiser. Já a fome do coração é aquela emocional, que cria laços com algo, como a sua infância.

“O mindful eating vai trazer consciência para esses tipos de fome. Com as práticas, você vai experimentando e vivenciando. Isso vai trazendo a luz de perceber como lidar e agir em casa uma delas”, reforça Camargo.

A prática constante de mindful eating ajuda a expandir a consciência do que você come e o motivo pelo qual come. Não é controlar o cardápio, mas deixar o indivíduo ciente do que coloca à boca.

Quer aprender mais sobre mindfulness de uma forma geral? Fique de olho no lançamento do curso da professora Tamara Russel Minfulness: meditação em movimento. Saiba mais aqui.

Equipe
Entrevista: Luana Viegas
Cinegrafista: George Bento
Produção: Flávia Molina

Créditos