fbpx
Logo portal NAMU
HOME » Alimentação » Orgânica » Gerais

Gerais

Alimentos orgânicos são mais nutritivos?

Valor alimentar dos alimentos orgânicos é o mesmo se comparados aos convencionais, diz pesquisa da Universidade de Stanford
Da redação
27/09/19

Se você prefere alimentos orgânicos porque são mais nutritivos, escolheu um argumento errado. É o que defende uma compilação científica que reuniu 240 pesquisas realizadas em todo o mundo.

Feita pela Universidade de Stanford, essa revisão chegou à conclusão de que não existem evidências de que os alimentos orgânicos são mais nutritivos. Quer saber mais a respeito do assunto? Então acompanhe o artigo que o NAMU preparou para você.

O que diz a pesquisa sobre os alimentos orgânicos?

De acordo com os pesquisadores, comprar produtos orgânicos continua sendo uma boa opção para manter o corpo longe de substâncias tóxicas, como pesticidas e hormônios que são agregados a vegetais e carnes nos cultivos tradicionais. Além disso, diminui-se a ingestão de bactérias resistentes a antibióticos.

Os benefícios mais significativos trazidos pelos alimentos orgânicos estão na forma mais sustentável de produção, conclui esse estudo.

A pesquisa avaliou resultados clínicos de pessoas que comiam alimentos convencionais ou orgânicos e não notou diferença significativa nos níveis de nutrientes ou vitaminas entre os participantes. Porém, o índice de contaminação por pesticidas nas pessoas que se alimentaram com orgânicos foi 30% mais baixo.

O que é orgânico?

Para cada tipo de alimento, existem diferentes padrões que determinam se o produto é orgânico ou não.

Vegetais orgânicos, por exemplo, devem ser cultivados sem o uso de herbicidas industrializados. Além disso, não devem ter sofrido nenhuma modificação genética causada pela manipulação humana. Inclusive, são esses produtos os utilizados na alimentação naturalista. Os fazendeiros não podem usar pesticidas sintéticos ou fertilizantes à base de petróleo.

alimentos orgânicos

No cultivo convencional, as frutas mais contaminadas pelos agrotóxicos são: morango, goiaba, uva, maçã, pêssego, mamão papaia, figo, pera e melão. Entre as frutas que apresentam menores riscos de contaminação estão o caqui, a pitanga, o abacate, a acerola, a jabuticaba e a mexerica.

Já as carnes orgânicas passam por outro tipo de controle. Os animais devem ser consumir alimentos orgânicos, não devem receber antibióticos, hormônios ou medicações para doenças. É claro, a não ser que sejam extremamente necessários para a recuperação do animal.

Eles devem ter uma alimentação balanceada, por meio de rotações de pastos e ter espaço para andar livremente pelo pasto.

Alimentos orgânicos tem menos calorias?

Outro mito que gira em torno dos alimentos orgânicos é sobre seu valor calórico. Inclusive, existem pessoas que compram os orgânicos por acreditarem que eles possuem valores calóricos menores do que os alimentos que não possuem tal classificação no rótulo. É o que revelou a publicação europeia Journal of Judgment and Decision Making.1 Entretanto, isso deve ser repensado.

O fato de determinado produto ser ou não considerado alimento orgânico em nada influencia o número de calorias que ele tem ou seu valor nutritivo.

Um tomate orgânico, por exemplo, não terá mais nutrientes ou valor calórico menor que um tomate não orgânico. Ele apenas terá menor contaminação por pesticidas e outras substâncias tóxicas que possam ser utilizadas pelos produtores tradicionais.

Sem abusos

Ao comprar orgânicos, muita gente pensa que assim já garante uma alimentação equilibrada. Porém, não é bem assim. Afinal, os cuidados com a dieta devem ser os mesmos porque alimentos orgânicos podem engordar tanto quanto os tradicionais. Além disso, a preparação também deve prezar pela preservação de nutrientes.

Benefícios verdadeiros dos alimentos orgânicos

A produção orgânica reduz a taxa de contaminação do corpo por pesticidas e de bactérias resistentes a antibióticos. Os pesquisadores da Universidade de Stanford detectaram níveis menores de pesticidas em crianças que comiam alimentos orgânicos e uma quantidade 33% menor de bactérias resistentes nos alimentos que não receberam herbicidas industrializados durante a produção.2

Uma limitação para uma análise aprofundada, segundo os próprios pesquisadores, seria a falta de estudos sobre os efeitos da ingestão de agrotóxicos em longo prazo. Eles avaliaram pesquisas com duração de no máximo dois anos.

Embora os danos causados pela ingestão de agrotóxicos durante longo período não tenham sido analisados por estes estudos, são conhecidos os efeitos que essas substâncias podem causar em pessoas que entram em contato físico constante com pesticidas.

Segundo um estudo publicado pelo Instituto Nacional do Câncer norte-americano, os agrotóxicos podem ser cancerígenos. E podem, inclusive, ser relacionados a casos de leucemia, câncer de pele, lábios e estômago.3  

Entre os grandes benefícios que os alimentos orgânicos trazem estão relacionados à forma como são produzidos. Isso porque ela deve promover um uso mais sustentável do solo, da água e do ar, além de preservar a diversidade biológica do ecossistema.

Ainda, deve basear-se em recursos renováveis e garantir a reciclagem de resíduos do processo produtivo. Isso conforme estabelece a Lei nº 10.831 (23/12/2003), que regulamenta a produção orgânica aqui no Brasil.4

A produção sustentável é um dos principais motivos pelos quais os consumidores devem decidir entre comprar ou não alimentos orgânicos. Afinal de contas, esses produtos possuem um compromisso com o meio ambiente e com o equilíbrio de nosso organismo.

Curso de hortas caseiras agroecológicas do NAMU

Quer aprender a cultivar seu próprio alimento em casa? Então conheça o curso de hortas caseiras agroecológicas do NAMU. Ministrado pela professora Ale Nahra, o curso online ensina a reaproveitar materiais orgânicos e inorgânicos, a fazer compostagem, entre outras técnicas. Assim, você poderá se livrar dos agrotóxicos aplicados aos alimentos convencionais e garantir alimentos orgânicos e frescos à mesa.

Referências

1. SHULDT, J. P.; SCHWARZ, N. The “organic” path to obesity? Organic claims influence calorie judgments and exercise recommendations. Judgment and Decision Making. vol. 5, n. 3, jun. 2010, p. 144-150.

2. BRANDT, M. Little evidence of health benefits from organic foods. Stanford School of Medicine. Disponível em: <https://med.stanford.edu/ism/2012/september/organic.html>. Acesso em: 02 set. 2013.

3. NATIONAL Cancer Institute. Agricultural Health Study. Disponível em:<https://www.cancer.gov/cancertopics/factsheet/Risk/ahs>. Acesso em: 02 set 2013.

4. BRASIL. Casa Civil. Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras providências. Disponível em:<https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.831.htm>. Acesso em: 02 set 2013.


Recomendados
Gerais

Alimentos naturais saudáveis na comida brasileira

Legumes, verduras e frutas são alimentos natura...

Gerais

Coloque mais cultura no seu prato

Devorado pela selva de pedra, o cambuci ressurg...