fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Agricultura Urbana

O que é

As expressões “agricultura urbana”, ou ainda, “agricultura interurbana e periurbana” têm sido utilizadas pelas agências das Nações Unidas, tais como United Nations Development Programme (UNDP) e Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) para sinalizar a utilização de pequenas superfícies situadas dentro das cidades ou em suas respectivas periferias para a produção agrícola e criação de pequenos animais, destinados ao consumo próprio ou à venda em mercados locais.
Na análise conceitual, percebemos a dicotomia dos dois termos “agricultura” e “urbana”, aos serem utilizados de forma separada, tendo inclusive, significados contraditórios, pois a palavra “agricultura” remete-nos aos processos que ocorrem no meio rural, já o conceito “urbano” aos processos ocorridos nas cidades.
A princípio ambos são conceitos contraditórios, mas na prática, são processos que ocorrem desde que as primeiras populações ocuparam o espaço urbano e começaram a produzir seu próprio alimento.
O conceito de agricultura urbana pode ser entendido como atividades de produção, agroextrativismo, coleta, transformação e prestação de serviços que, de forma segura, geram produtos agrícolas e pecuários voltados ao autoconsumo, trocas, doações ou comercialização, (re)aproveitando-se de forma eficiente e sustentável os recursos e insumos locais (solo, água, resíduos sólidos, mão-de-obra, saberes).

Origem do nome

O nome “agricultura urbana” é relativamente novo, porém, podemos entender que este termo é a junção da palavra “agricultura” com a palavra “urbano”, feito sua devida concordância no tocante ao gênero.

O prefixo agro tem origem no verbete latino agru que significa “terra cultivada ou cultivável”. A palavra “agricultura” vem do latim agricultūra composta por ager (campo, território) e cultūra (cultivo), no sentido estrito de cultivo do solo.

Na Língua Portuguesa, a palavra “agricultura” manteve este sentido estrito e refere-se exclusivamente ao cultivo no meio rural. A palavra “urbano” tem origem no Latim “urbanus” que significa “pertencente à cidade”.

Podemos entender que o urbano é tudo aquilo que está relacionado com a vida na cidade e com os indivíduos que nela habitam, por oposição ao termo rural, que é relativo ao campo e ao interior

Criação

Ao longo dos tempos múltiplas formas nos diferentes cantos do mundo, variando de acordo com o lugar em que ela é praticada e desenvolvida.

Refletindo um pouco mais quanto à sua forma, podemos observar que as diferentes formas de agricultura urbana desenvolvida no mundo variam no tempo e no espaço, de uma localidade para a outra, de uma época para outra, estando, portanto, em constante movimento ao longo da existência.

Deste modo, a agricultura urbana se apresenta como um conjunto de formas locais, variáveis no espaço e no tempo, tão diversas quanto as nossas próprias observações. Outros saberes e técnicas têm sido incorporados à agricultura praticada nas cidades, como no caso da agroecologia, permacultura, economia solidária entre outros.

Histórico

O fenômeno da agricultura urbana dentro dos limites das cidades existe desde que a primeira população urbana se estabeleceu, isto é, há milhares de anos, mas somente a partir da década de 1970, que a agricultura urbana tornou-se foco da atenção de pesquisadores.

A partir de seu reconhecimento, esta atividade começou a receber atenção e apoio de organismos internacionais, organizações não-governamentais e governos do mundo todo.

Embora a agricultura urbana seja observada tanto nos países ricos como em países pobres, o volume de informações referentes a esses últimos é maior, talvez por serem países prioritários para apoio técnico e financeiro das instituições internacionais de desenvolvimento.

A agricultura na cidade vem sendo moldada de acordo com a evolução do espaço urbano no mundo contemporâneo, inserida no cenário da globalização, uma vez que o espaço urbano estimula grandes fluxos de pessoas, mercadorias, informações, comunicação e capital.

Ao longo da história muitos exemplos de agricultura urbana foram implementados em todo o mundo, entretanto, a maior gama destas experiências tem ocorrido em países em desenvolvimento.

De acordo com a FAO, organismo das Nações Unidas responsável pelas questões de produção de alimentos, estima-se que no mundo, mais de 200 milhões de pessoas residentes nas cidades fornecem alimentos para o mercado urbano e mais 800 milhões de habitantes urbanos estão ativamente envolvidos na agricultura urbana de alguma forma.

O crescimento da agricultura urbana se deve em partes à sua adaptabilidade e mobilidade em comparação com a agricultura rural. À medida que as cidades se expandem, as fronteiras entre as atividades urbanas, periurbanas e rurais se desvanecem e se confundem, criam-se também oportunidades e riscos para esta prática.

A agricultura urbana, gradativamente, vem ganhando lugar em diversos países, ocupando cada vez mais os espaços urbanos, na maioria das vezes, ociosos e propícios para sua prática.

Atualidade

O desenvolvimento da agricultura urbana está diretamente ligado ao crescimento demográfico e econômico das cidades, contribuindo para a (re) configuração dos espaços urbanos através do uso do solo, das estruturas populacionais, das práticas sociais, entre outras.

Esta atividade permite disponibilizar e aproveitar espaços domésticos e públicos para a produção de alimentos, plantas medicinais, ornamentais e criação de pequenos animais.

Entre as instituições internacionais que apoiam o desenvolvimento da agricultura urbana estão o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), Centro de Recursos para a Agricultura e Silvicultura Urbanas (RUAF) que visam o acesso à alimentação e a promoção da segurança alimentar e nutricional para as populações do mundo por meio de um desenvolvimento sustentável.

Atualmente o movimento da agricultura urbana está espalhado pelo mundo inteiro, por meio da sociedade civil organizada, com ou sem apoio governamental.

Fundamentos

Agricultura: termo relacionado a arte de cultivar os campos, representando também o trabalho e as técnicas usadas para a produção agrícola.

Agroecologia: considerada como um movimento sociopolítico, de empoderamento do agricultor em busca de suas identidades e raízes culturais; esta ciência valoriza uma agricultura socialmente mais justa, economicamente viável e ecologicamente apropriada, além de integrar conhecimentos de diversas outras ciências e incorporar o conhecimento das comunidades tradicionais, validados por metodologias científicas.

Agricultura familiar: cultivo da terra por uma família, onde os agricultores são gestores e trabalhadores das suas próprias terras.

Agricultura orgânica: produção agrícola sem a utilização de agrotóxicos, com o objetivo de obter produtos mais saudáveis, saborosos e com maior durabilidade.

Agricultura sustentável: objetiva alcançar um sistema produtivo de alimentos e fibras que aumente a produtividade dos recursos naturais e dos sistemas agrícolas, permitindo que os produtores respondam aos níveis de demanda engendrados pelo crescimento populacional e pelo desenvolvimento econômico; produzam alimentos sadios, integrais e nutritivos que permitam o bem estar humano e obtenham uma renda líquida digna.

Urbano: tem origem no Latim “urbanus” que significa “pertencente à cidade”; o conceito está relacionado com a vida na cidade e com os indivíduos que nela habitam. Algumas características são específicas do meio urbano que contrastam com o rural, como por exemplo: densidade populacional, infraestrutura (vias públicas, transportes, escolas, hospitais, etc.), áreas residenciais, comerciais e industriais, etc.

Na prática

A agricultura urbana é uma atividade que surge na maioria das vezes no âmago dos movimentos sociais, sendo a sociedade civil organizada a que mais tem contribuído para seu fortalecimento e crescimento no mundo.

Umas das peculiaridades desta atividade é que ela pode ser desenvolvida de diferentes maneiras, sendo os cidadãos, protagonistas de suas ações.

Algumas experiências, em especial na América Latina, se destacam por basear-se nos princípios da agroecologia, da educação popular e das metodologias participativas, contribuindo para um aprendizado interdisciplinar, recorrendo sempre às origens populares, à realidade local e ao conhecimento preexistente em cada participante, proporcionando a construção de novos saberes e a valorização dos saberes pré-existentes.

Entre as metodologias que são sugeridas nas atividades de agricultura urbana estão àquelas que utilizam os processos participativos e de resgate cultural, envolvendo algumas etapas como:

a) diagnóstico,preferencialmente participativo, para identificação de público alvo e locais apropriados para implantação dos sistemas produtivos;

b) sensibilização, mobilização e organização comunitária para formação de grupos gestores,

c) implantação dos sistemas produtivos, de preferência de base agroecológica e de acordo com a realidade e necessidade local.

Principais nomes

Os expoentes da agricultura urbana estão presentes na mobilização de pessoas que, de forma individual ou coletiva, se propuseram a cultivar alimentos no meio urbano ou periurbano para autoconsumo, troca e comercialização dos excedentes de produção.

Recentemente, entre as populações que mais contribuíram para o fortalecimento desta atividade no mundo, estão as residentes em países em desenvolvimento situados na África, Ásia e América Latina.

Outras visões

Apesar dos benefícios e avanços da agricultura urbana, em muitos casos, ela ainda é analisada na perspectiva de experiências isoladas e lida com alguns problemas em relação à mobilização das comunidades, captação de recursos e dependência do poder público local, tornando as ações muito vulneráveis, quando não se tem apoio governamental.

A sociedade civil organizada ainda tem dificuldades para organizar, mobilizar e influenciar nas políticas públicas, bem como participar e contribuir com a gestão pública dos municípios, inviabilizando dessa forma investimentos para o desenvolvimento da agricultura urbana.

Embora exista um mínimo esforço por parte de alguns governos e ONGs, os investimentos e apoio ainda são isolados e pontuais, demonstrando que a agricultura urbana ainda não é considerada no âmbito das políticas públicas e nos planejamentos urbanos.

Quem influenciou

O fenômeno da agricultura urbana tem ocorrido da prática para a teoria, assim as próprias necessidades das populações urbanas têm influenciado este movimento no mundo todo.

Fontes e inspirações

A agricultura urbana surgiu juntamente com o surgimento das cidades. Sua prática, por meio da mobilização de indivíduos ou grupos, sempre esteve presente em diferentes partes do planeta, porém atualmente, o Continente Africano merece destaque por agregar atividades mais intensas em diferentes países como: Congo, Tanzânia, Quênia, Moçambique, Zâmbia, Costa do Marfim, Gana e Zaire, entre outros.

Além da África, também são responsáveis por influenciar a prática da agricultura urbana no mundo contemporâneo, a Ásia e a América Latina, principalmente devido à organização e participação comunitária, tão necessária para o crescimento deste movimento

Interligações

Muitas são as temáticas que dialogam com a agricultura urbana, dentre as quais podemos destacar a agroecologia, a permacultura, a agricultura orgânica, a economia solidária, a segurança alimentar e nutricional, a promoção da saúde, a educação popular.

Fontes de pesquisa

Aquino AM, Monteiro D. Agricultura Urbana. In: Aquino AM e Assis RL. Agroecologia: princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília: Embrapa; 2005.

Cavalcante BC. Agroecologia e agricultura urbana: Contribuições e desafios a partir do estudo do projeto Colhendo Sustentabilidade em Embu das Artes. [Trabalho de Graduação Individual]. São Paulo.

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2011.

FAO – Food and Agriculture Organization. Cuestiones de la agricultura urbana. Revista Enfoques; 1999. Disponível em: http://www.fao.org/ag/esp/revista/9901sp2.htm. Acesso em 23/08/2007.

FAO – Food and Agriculture Organization. Economic and Social Development Department . Urban agriculture: an oximoron? In: FAO. The State of food and agriculture. FAO Corporate Document Repository.

FAO, 1996. Agricultural and Development Economics Working Papers. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/003/w1358e/w1358e07.htm.

FAO – Food and Agriculture Organization. Agriculture and Consumer Protection Department. Urban food marketing. FAO; 1999. Disponível em: http://www.fao.org/ag/magazine/9906sp1.htm.

Ferreira JR, Castilho CJM. Agricultura urbana: discutindo algumas das suas engrenagens para debater o tema sob a ótica da análise espacial. Recife: Revista de Geografia. UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 2; 2007.

Gonçalves BC. No Asfalto se Colhe a Esperança. A Experiência da Agricultura Urbana Agroecológica como Prática de Desenvolvimento Local Auto-Sustentável na Região Metropolitana de São Paulo. [Trabalho de Graduação Individual]. São Paulo.

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2010. Estado de São Paulo.

Secretaria de Meio Ambiente/ Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais.

Agricultura Sustentável. Cadernos de Educação Ambiental. Kamiyama, Araci (org). São Paulo; 2011.

Machado AT, Machado CTT. Agricultura Urbana. Planaltina, DF: Embrapa; 2002. Mougeot LJA. Agricultura Urbana – conceito e definição. Artigo publicado na Revista de Agricultura Urbana (RAUP) nº 1, junho/2000. Ribeiro SM.

Agricultura Urbana Agroecológica sob o Olhar da Promoção da Saúde: A experiência do Projeto Colhendo Sustentabilidade – Embu das Artes – SP. [Dissertação de Mestrado]. São Paulo.

Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2013. Ribeiro SM, Azevedo E, Pelicioni MCF, Bógus CM, Pereira IMTB.

Agricultura urbana agroecológica – estratégia de promoção da saúde e segurança alimentar e nutricional. Rev Brasileira de Promoção da Saúde. Fortaleza, 25(3): 381-388; 2012. Disponível em: http://www.unifor.br/images/pdfs/rbps/2012.3_artigo16.pdf

Rodrigues VLGS. Urbanização e ruralidade. Brasília: MDA; 2009. Santandreu A, Lovo I. Panorama da agricultura urbana e periurbana no Brasil, Belo Horizonte, MDS, 2007. Smith J, Ratta A, Nassr J.

Urban agriculture: food, jobs and sustainable cities. New York: United Nations Development Programme (UNDP); 1996. P. 302 (Publication Series for Habitat II, v. 1). Sites consultados: http://www.significados.com.br http://www.suapesquisa.com

Aprofundamento

Aquino AM, Monteiro D. Agricultura Urbana. In: Aquino AM e Assis RL. Agroecologia: princípios e técnicas para uma agricultura orgânica sustentável. Brasília: Embrapa; 2005.

Cavalcante BC. Agroecologia e agricultura urbana: Contribuições e desafios a partir do estudo do projeto Colhendo Sustentabilidade em Embu das Artes. [Trabalho de Graduação Individual]. São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2011. Dias JAB.

Produção de plantas medicinais e agricultura urbana. Horticultura Brasileira. Brasília; 2000, v. 18, p. 140-143.

FAO – Food and Agriculture Organization. Cuestiones de la agricultura urbana. Revista Enfoques; 1999. Disponível em: http://www.fao.org/ag/esp/revista/9901sp2.htm. Acesso em 23/08/2007.

FAO – Food and Agriculture Organization. Economic and Social Development Department . Urban agriculture: an oximoron? In: FAO. The State of food and agriculture. FAO Corporate Document Repository.

FAO, 1996. Agricultural and Development Economics Working Papers. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/003/w1358e/w1358e07.htm.

FAO – Food and Agriculture Organization. Agriculture and Consumer Protection Department. Urban food marketing. FAO; 1999. Disponível em: http://www.fao.org/ag/magazine/9906sp1.htm.

Ferreira JR, Castilho CJM. Agricultura urbana: discutindo algumas das suas engrenagens para debater o tema sob a ótica da análise espacial. Recife: Revista de Geografia. UFPE – DCG/NAPA, v. 24, no 2; 2007. Fundação Banco do Brasil: Tecnologia Social “Agroecologia Urbana e Segurança Alimentar”. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=G709eJZV1kU&feature=youtu.be

Gonçalves BC. No Asfalto se Colhe a Esperança. A Experiência da Agricultura Urbana Agroecológica como Prática de Desenvolvimento Local Auto-Sustentável na Região Metropolitana de São Paulo. [Trabalho de Graduação Individual]. São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2010.

Machado AT, Machado CTT. Agricultura Urbana. Planaltina, DF: Embrapa; 2002. MDS – Ministério do Desenvolvimento Social. Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. EDITAL SESAN/MDS Nº 01 / 2007: Seleção de Proponentes para apoio a projetos de Agricultura Urbana e Periurbana. Brasília, DF; 2007.

MDS – Ministério do Desenvolvimento Social. Agricultura Urbana e Periurbana. Brasília; 2012. Disponível em: http://www.mds.gov.br/segurancaalimentar/sistemas-publicos-agroalimentares/agricultura-urbana-e-periurbana.

Mougeot LJA. Urban agriculture: definition, presence, potentials and risks. In: Bakker N, Dubbeling M, Gündel S, Sabel-Koschella U, Zeeuw H. (Ed.). Growing cities, growing food: urban agriculture on the policy agenda. Feldafing: Deutsche Sitffung für Internationale Entwicklung; 2000. p. 1-42.

Programa Cidades Sustentáveis. Projeto Colhendo Sustentabilidade: Práticas Comunitárias de Segurança Alimentar e Agricultura Urbana. Disponível em: http://www.cidadessustentaveis.org.br/boas_praticas/exibir/213.

Ribeiro SM. Agricultura Urbana Agroecológica sob o Olhar da Promoção da Saúde: A experiência do Projeto Colhendo Sustentabilidade – Embu das Artes – SP. [Dissertação de Mestrado]. São Paulo.

Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2013. Ribeiro SM, Azevedo E, Pelicioni MCF, Bógus CM, Pereira IMTB.

Agricultura urbana agroecológica – estratégia de promoção da saúde e segurança alimentar e nutricional. Rev Brasileira de Promoção da Saúde. Fortaleza, 25(3): 381-388; 2012. Disponível em: http://www.unifor.br/images/pdfs/rbps/2012.3_artigo16.pdf  

Zappala, JHB. A agroecologia e o saber tradicional camponês: teoria e prática para a conservação da diversidade cultural e natural a caminho do envolvimento sustentável numa nova realidade. [Trabalho de Graduação Individual]. São Paulo.

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. São Paulo; 2011.

Sites de Organizações: AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia. Disponível em: http://aspta.org.br

Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas. Disponível em: http://www.redemg.org.br

RUAF Foundation – Resource Centres on Urban Agriculture & Food Security. Disponível em: http://www.ruaf.org/

EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: http://www.embrapa.br

IPES – Promoción de Desarrollo Sostenible. Disponível em: http://ipes.org/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *