fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

O que é

Composta pelos elementos químicos hidrogênio e oxigênio, a água é uma substância que pode ser encontrada no estado gasoso, sólido e líquido. É um dos componentes mais essenciais para a manutenção da vida no planeta e está presente em praticamente todos os tipos de bebida.
Em relação ao corpo humano, a água é considerada um macronutriente. Ela umidifica as mucosas (bocas, olhos e nariz); transporta oxigênio e nutrientes para as células; lubrifica as articulações; atua como solvente universal para todas as substâncias e nutrientes do organismo, ou seja, participa em todas as reações químicas dentro do nosso corpo; faz parte do processo de excreção de metabólicos, pois está presente na urina; previne a constipação; e participa da regulação da temperatura corporal.
A água representa cerca de 60% do peso de um ser humano adulto. Em recém-nascidos esse número pode chegar a 70%. Portanto, cerca de dois terços do corpo humano se compõem de água e das várias substâncias nela dissolvidas — 75% do nosso cérebro e 80% do nosso sangue são compostos de água. A necessidade de água do nosso organismo é muito maior do que a de qualquer outro nutriente, pois ela atua como um substrato essencial para as reações bioquímicas vitais em todos os órgãos e tecidos. A proporção de água nos órgãos e tecidos depende do volume de gordura orgânica. Esse total fica em torno de 60% nos homens e entre 50% a 55% nas mulheres. A falta de hidratação é algo que se manifesta de forma muita rápida: uma alteração de aproximadamente 1% no nível de hidratação já leva ao aparecimento dos primeiros sintomas da desidratação.
Necessitamos muito mais de água do que de comida. A privação completa de água provoca a morte em poucos dias. Já em relação à privação de alimentos, o ser humano pode sobreviver durante semanas. A água é o componente mais presente no corpo humano. É essencial para homeostase celular e, portanto, para a vida.
Em razão disso, a água é, sem dúvida alguma, o nutriente mais importante para o corpo humano. Sua preservação é importantíssima, principalmente porque apenas 3% da água do planeta é potável, os outros 97% são formados por água salgada. Ela é capaz de dissolver mais substâncias do que o ácido sulfúrico. Além disso, a água ajuda a manter o corpo hidratado e produz inúmeros benefícios para a saúde. Ingerir água em abundância, por exemplo, pode ajudar a reduzir a formação de pedras nos rins. Por dia, o total de água que consumimos é o resultado da soma da água pura que bebemos, da água misturada a outras bebidas e da água presente nos alimentos sólidos — a qual representa cerca de 20% do total de água que consumimos diariamente.
Cerca de dois terços do corpo humano – 75% do cérebro e 80% do sangue – são compostos de água e substâncias nela dissolvidas. A necessidade de água do nosso organismo é muito maior do que a de qualquer outro nutriente, pois ela é o elemento essencial para as reações bioquímicas vitais em todos os órgãos e tecidos. Ela é importante para a regulação da temperatura, o transporte de nutrientes e a eliminação de substâncias tóxicas ou residuais dos processos digestivos, respiratórios, renais e cardiovasculares.
A proporção de água nos órgãos e tecidos depende do volume de gordura orgânica. Esse total fica em torno de 60% nos homens e entre 50% a 55% nas mulheres. A falta no organismo se manifesta de forma muita rápida: uma alteração de aproximadamente 1% no nível de hidratação já leva ao aparecimento dos primeiros sintomas da desidratação. Necessitamos muito mais de água do que de comida. O ser humano pode sobreviver até uma semana sem alimento, mas aguenta mais que três dias sem água.
Além de ser um excelente solvente, a água também é um eficaz sistema de transporte, pois distribui os nutrientes por todo corpo. É a água que ajuda a coletar e transportar dejetos dentro do nosso organismo para as vias de eliminação. A água é, sem dúvida alguma, o nutriente mais importante para o corpo humano. Manter o corpo hidratado produz inúmeros benefícios para a saúde. Ingerir água em abundância, por exemplo, pode ajudar a reduzir a formação de pedras nos rins. Também é possível se hidratar consumindo sucos e outros tipos de bebida como chás.
Tipos de água
Ferrugisona: sempre muito utilizada para combater anemia
Radiativa: considerada pesada ao paladar
Fluoretada: ajuda a proteger os ossos e dentes, mas somente quando a quantidade de flúor estiver correta.
Magnesiana: é o tipo de água que auxilia o processo de desintoxicação do fígado e dos intestinos
Carbogasosa: esse tipo de água tem a capacidade de ajudar na digestão e é altamente diurética. É rica em sais minerais e pode auxiliar na reposição de energia.
Hipotermal na fonte: água leve e fácil de ingerir.

Origem do nome

A palavra bebida deriva do verbo beber, o qual, por sua vez, vem do termo latino “bibere”. No latim existiam duas formas com o mesmo significado: “bibere” e “potare”. Da primeira forma surgiu o verbo “beber” e o substantivo feminino “bebida”. Da segunda, o adjetivo potável.

Histórico

Hidratação A necessidade de hidratação está profundamente vinculada à história dos seres humanos. Desde tempos imemoriais, ter acesso fácil a uma fonte de água era algo imprescindível para a sobrevivência da nossa espécie.

Quando os primeiros Homo sapiens surgiram na África, no período entre 100.000 e 200.000 anos atrás, seus antepassados já tinham criado uma relação indispensável com a água e outras fontes de bebida, como frutas e legumes.

A evolução da nossa espécie só foi possível em função desse acesso à hidratação. Segundo o químico e arqueólogo Patrick McGovern, da Universidade da Pensilvânia, nos EUA, o consumo de bebidas alcoólicas também está presente nos mais distantes períodos históricos da raça humana.

Agricultura

Há cerca de 15.000 e 10.000 anos, os seres humanos passaram a praticar a agricultura. Tempos depois, surgiram as primeiras bebidas. Até então a hidratação era feita com água e com a alimentação feita à base de leite, frutas e vegetais.

Leite

Os humanos passaram a consumir leite de vaca em torno de 9.000 a.C. O famoso médico grego Hipócrates, no século 5 a.C., recomendava o leite como remédio. Também há inúmeros registros em sânscrito que indicam que o leite era consumido na Índia antiga, onde era um alimento essencial. Cerveja Antes de 6.000 a.C. já era produzida e consumida cerveja feita a partir de cevada na Suméria e na Babilônia.

No Egito, foram encontradas tumbas datadas de 2.400 a.C. onde existia cevada que foi germinada, esmagada e seca em bolos, os quais quando colocados em contato com água, passavam por um processo de fermentação e se transformavam em cerveja. Isso indica que as pessoas daquela época consumiam esse tipo de bebida.

Na década de 1950, o famoso botânico norte-americano Jonathan Sauer sugeriu que a motivação original para a domesticação e cultura de cereais seria possivelmente ligada à produção de cerveja e não de pães.

Vinho

A videira Vitis vinifera começou a ser cultivada no Oriente Médio por volta de 4.000 a.C. Também há registros históricos de consumo de vinho no Egito, em torno de 2.500 a.C. Há ainda inúmeras referências ao consumo de vinho no Velho Testamento. Tanto gregos quanto romanos também deixaram textos e documentos sobre a produção, o comércio e o consumo de vinho.

Chá

Segundo a tradição, o chá é consumido na China desde 2.700 a.C. Durante milênios, foi considerado uma espécie de bebida medicinal naquela região. Somente por volta do século 3 da nossa Era o chá passou a ser consumido diariamente pelos chineses. Também foi nesse período que o cultivo e a produção em maior escala começaram. No entanto, os primeiro registros de plantações de chá são de 350 a.C. Portanto, o consumo diário de chá se estabeleceu primeiro na China.

Depois, entre os séculos 8 e 9, a bebida chegou ao Japão. Por volta do século 13, a produção de chá já era algo estabelecido em terras japonesas. Em 1610, a Companhia das Índias Ocidentais trouxe o primeiro carregamento de chá para a Europa. Em torno de 1800, os holandeses, que trouxeram sementes do Japão, começaram a produzir chá na ilha de Java.

Da mesma forma, os ingleses foram responsáveis pela introdução do cultivo de chá na Índia e Sri Lanka. Nos séculos 19 e 20, o consumo e a produção de chá se espalharam pelo mundo chegando a nações como Rússia, Irã, Brasil e Moçambique.

O chá natural é uma denominação popular para as bebidas preparadas pela infusão de folhas, flores ou raízes, geralmente em água quente. Cada variedade adquire um sabor definido de acordo com o processamento utilizado, que pode incluir oxidação, fermentação e o contato com outras ervas, especiarias e frutos.

Eles não fornecem calorias nem quantidades significativas para as necessidades de energia, vitaminas e sais minerais. Já os chás industrializados podem conter excesso de açúcar, sódio e aditivos alimentares artificiais.

O chá verde, ou green tea, é o nome popular da Camellia sinensis, planta nativa da Ásia. Ele contém quantidades substanciais de fitoquímicos que possuem propriedades antioxidantes (polifenóis), metilxantina, taninos e cafeína. Consumido em doses adequadas, será benéfico ao organismo.

Tende a reduzir o nível de colesterol total e LDL sangüíneos, diminuindo o risco de doenças do coração. Os flavonóides auxiliam nas atividades da vitamina C, melhorando a absorção e protegendo contra a oxidação. Eles podem ser obstáculos para as substâncias causadoras de câncer, como as nitrosaminas associadas a alimentos defumados e os resíduos de fertilizantes como o Nitrato. A epigalocatequina, principal polifenol do chá, é um forte inibidor de células cancerígenas.

O chá pode ser usado como coadjuvante na redução de gordura corporal e manutenção do peso, pois estimula a termogênese facultativa, ou seja, a utilização da energia na geração de calor, reduzindo o seu acúmulo na forma de gordura.

A metilxantina e a cafeína agem especificamente inibindo a enzima fosfodiesterase, mantendo o metabolismo de carboidratos ativo.

No metabolismo dos lipídeos (gorduras), elas agem na inibição da enzima fosfodiesterase, mantendo a lipólise (degradação da gordura) ativa.

O chá é especialmente indicado no verão, ajudando a neutralizar o calor e umidade dessa estação. É também eficaz para as enxaquecas. Em excesso, causa insônia, boca seca e sede, além de prisão de centre e, pelo mesmo motivo, é bom para a diarreia.

O conteúdo de flavonóides e taninos varia de chá para chá. O chá verde é o que tem a maior quantidade. Ele é seguido pelo oolong, depois pelo chá preto. O verde tem mais ação antioxidante e menos cafeína do que o preto. Adicionar leite ao chá desativa alguns taninos e fluoretos protetores. Porém, seu consumo em excesso pode causar constipação, manchar os dentes e produzir insônia.

Beber chá quente demais está relacionado ao câncer de esôfago e todos os chás bebidos às refeições reduzem a absorção do ferro dos alimentos.

Destilados

Os chineses foram os primeiros a destilar uma bebida a partir da cerveja de arroz, em cerca de 800 a.C.. Já os árabes produziram os primeiros destilados de cana de açúcar.

Na Grã-Bretanha, a produção de bebidas destiladas já ocorria antes da conquista romana. Espanha, França e o resto da Europa ocidental, provavelmente, também produziram bebidas destiladas antes dos romanos. No entanto, essa produção era limitada. Somente a partir do século 8, após o contato com os árabes, que a produção de bebidas alcóolicas cresceu.

Idade Média

O primeiro registro histórico de produção de uísque data de 1494, na Escócia. A palavra “uísque” vem do termo celta “usquebaugh”. Já as palavras irlandesas (uisce beathadh) e gaélica escocesa (uisge beatha) para uísque são adaptações da expressão latina “aqua vitae”, a qual significa “água da vida”.

Refrigerantes

Os primeiros refrigerantes foram produzidos no século 17. Eram uma mistura de água e suco de limão adoçado com mel. Em 1676, foi fundada a primeira empresa que produzia e vendia esse tipo de bebida, era a parisiense Compagnie de Limonadiers. Ainda no século 17, foram criadas as bebidas gaseificadas. Seu principal intuito era repetir a qualidade terapêutica que então se acreditava existir na água naturalmente gasosa.

Água engarrafada

Os primeiros registros históricos de garrafas de água com gás estão presentes em correspondências entre o filósofo Erasmus Darwin (1731-1802) e o industrial britânico Matthew Boulton. Em 1820, avanços no processo industrial permitiram aumentar consideravelmente a quantidade de água engarrafa, tornando-a algo popular. As primeiras aguas minerais com sabor são dessa época.

O primeiro tipo foi com gengibre; o segundo, produzido em 1830, foi com limão; e o terceiro, em 1858, foi a água tônica.

Bebidas industrializadas

Em todas as regiões do mundo, diferentes preparações de bebidas não lácteas têm sido utilizadas, com o objetivo de oferecimento líquido, como forma de hospitalidade ou como complemento a refeições.

Chás, tônicos, emulsões, xaropes, néctares e outros tipos de alimentos foram sendo modificados de várias maneiras e ofertados a crianças, adolescentes e adultos. No final do século XIX e princípio do século XX são registrados os primeiros relatos de distribuição maciça de bebidas baseadas em extratos de noz de cola adicionadas de água e adoçantes. A partir daí, o mundo ocidental verificou o aumento extraordinário da difusão de diferentes bebidas gaseificadas artificialmente, com inúmeras marcas e apresentações.

O consumo destes refrigerantes em remotas regiões do planeta, mostra sua aceitação globalizada.

Coca-Cola

A bebida mundialmente conhecida foi criada, em 1886, pelo farmacêutico norte-americano, nascido em Atlanta, John Pemberton (1831-1888). No início a bebida era conhecida como Pemberton’s French Wine Coca (Coca, o vinho francês de Pemberton). Em 1891, a fórmula da Coca-Cola foi vendida para Asa Griggs, o qual a colocou em um cofre no banco Georgia Trust Bank, tornando-a uma das mais valiosas e secretas combinações da história.

Em um primeiro momento, o Coca-Cola de Pemberton continha cocaína e cafeína. Em 1905, a cocaína foi retirada da receita. Atualmente, a Coca-Cola é uma bebidas mais consumidas do planeta. Pepsi Criada pelo farmacêutico norte-americano Caleb D. Bradham (1866–1934), a Pepsi surgiu em 1898 no intuito de competir com a Coca-Cola, que então já era um sucesso de vendas.

Em 1902, se transformou na Pepsi-Cola Company. Desde então, as duas empresas competem pelo mercado de refrigerantes. Sucos Na década de 1940, o governo norte-americano criou um programa para incentivar a produção de sucos industrializados, os quais eram enviados para os países aliados durante a Segunda Guerra Mundial.

Foi assim que as indústrias foram capazes de criar um suco de laranja que se mantivesse utilizável por um período maior de tempo.

Quando fazemos o suco em casa, sua duração é de apenas algumas horas. No entanto, os sucos industrializados são capazes de ficar semanas armazenadas sem perder o gosto.

Esse avanço foi produto dos trabalhos feitos pela Florida Citrus Comission, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Foi criada então a companhia Flórida Foods, que depois passaria a se chamar Minute Maid (feito em um minuto). O primeiro tipo de suco era um concentrado a vácuo. Esse produto, quando congelado, mantinha seu sabor. Para torná-lo suco basta retirá-lo da geladeira e adicionar água. Entre 1945 e 1946, a Flórida produziu 226 mil de galões de concentrado. Em 1961/62, esse total já chegava a 116 milhões de galões.

Com o final da Segunda Guerra Mundial, os investimentos na indústria de sucos se tornou parte do Plano Marshal. Em 1960, a Coca-Cola comprou a Minute Maid. Nessa mesma época, a Tropicana passou a vender suco de laranja durante os 12 meses do ano, o que transformou um mercado que até então era controlado pela sazonalidade.

Na década de 1970, a Tropicana se aliou aos produtores de laranja do Brasil o que permitiu que essa companhia praticamente controlasse o mercado de sucos durante vários anos. Nessa mesma década, os sucos deixaram de ser engarrafados em vidro para ser vendidos em caixas de papel.

Atualidade

Diante da crescente epidemia de obesidade americana, no início de 2010 a primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, lançou a campanha nacional “Let´s move” (Vamos nos mexer) de luta contra a obesidade infantil.

O objetivo é eliminar o problema em uma geração. Um dos principais alvos da campanha é a indústria de alimentos ultraprocessados, como o fast food (hambúrgueres, salgadinho e refrigerantes).

O atual prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, propôs há pouco tempo a proibição da venda de refrigerantes em tamanho gigante nos restaurantes, arenas esportivas e cinemas. A indústria rapidamente reagiu para reclamar contra a decisão. Mas é inegável que a obesidade nos Estados Unidos e outros países como o Brasil tem alcançado números assustadores, a ponto de se tornar problema de saúde pública e entrar na agenda de ações do governo.

Ainda em 2012 foi lançado o documentário Muito Além do Peso, uma produção nacional sob a direção da roteirista Estela Renner. O filme mostra a relação negativa da dieta composta por alimentos ultraprocessados, principalmente os refrigerantes, com a atual pandepidemia de obesidade infantil.

Também em 2012 foram consumidos 101 milhões de litros de suco industrializado nos 40 países mais desenvolvidos do globo. Atualmente, o Brasil produz 50% do suco de laranja consumido no planeta. Portanto, de cada cinco copos de suco de laranja consumidos no mundo, três são produzidos em terras e fábricas nacionais.

Paradoxalmente, enquanto produzimos suco de laranja para boa parte da população mundial, a água distribuída no Brasil, segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Analíticas Avançadas (INCTAA), sediado do Instituto de Química (IQ) da Unicamp, contém cerca de 800 substâncias consideradas “contaminantes emergentes” e é muito ruim de acordo com qualquer padrão internacional.

Fundamentos

Hidratação A hidratação é o ato de ingerir água ou líquidos para repor as perdas fisiológicas de água e minerais do organismo.

A hidratação adequada satisfaz a sede, mantém o balanço hidroeletrolítico e fornece substratos para diversas funções bioquímicas vitais como a regulação da temperatura corpórea. Além da água, diversos líquidos são consumidos, como os sucos de frutas, chás e, mais recentemente, as bebidas industrializadas que abrangem os refrigerantes, suplementos hidroeletrolíticos e refrescos.

Quando praticamos exercício, por exemplo, perdemos líquidos. Para recuperar esses líquidos devemos nos hidratar. Quando nossa urina está clara e abundante isso é uma indicação de que estamos nos hidratando corretamente.

Macronutriente

A água é considerada um macronutriente no nosso organismo. Ela umidifica as mucosas (bocas, olhos e nariz), transporta oxigênio e nutrientes para as células, lubrifica as articulações, atua como solvente universal para todas as substâncias e nutrientes do organimos, ela faz parte do processo de excreção de metabólicos, pois faz parte da urina. Além disso, a água previne a constipação e participa da regulação da temperatura corporal.

Fontes de pesquisa

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: Promovendo a alimentação saudável, 2008. 210p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf. Acesso em: 12 dez. 2012.

PARKER, Steve. O livro do corpo humano. Londres. Ciranda Cultural. 2007. 256 p. ALMEIDA, Lizandra. É preciso beber 8 copos de água por dia? Disponível em: http://super.abril.com.br/saude/preciso-beber-8-copos-agua-todos-dias-620237.shtml. Acesso em: 21 jan. 2013.

VARELLA, Dráuzio. Desidratação. Disponível em: http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/desidratacao/. Acesso em: 21 jan. 2013.

SIZER, Francis; WHITNEY, Eleanor. Nutrição – conceitos e controvérsia. 8ª. ed, São Paulo, Manole, 2003.

WOLKE, Robert. O que Einstein disse a seu cozinheiro – A ciência na cozinha. Zahar, 2003. 298 p.

FISBERG, Mauro. O uso de refrigerantes e a saúde humana Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?id_materia=1959&fase=imprime. Acesso em: 22 jan. 2013.

Harvard School of public health. Healthy Drinks. Disponível em: http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/healthy-drinks/. Acesso em: 25 jan. 2013.

ANVISA. Esclarecimentos sobre o uso do edulcorante ciclamato em alimentos. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/informes/40_020609.htm. Acesso em: 25 jan. 2013.

ANVISA. Informe técnico: Considerações sobre o corante amarelo tartrazina. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/informes/30_240707.htm. Acesso em: 25 jan. 2013.

ANVISA. Aspartame. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/faqdinamica/index.asp?Secao=Usuario&usersecoes=28&userassunto=42. Acesso em: 25 jan. 2013.

BATISTA Gesiani, et al. Estudo prospectivo, duplo cego e cruzado da Camellia Sinensis (chá verde) nas dislipidemias. Arq. Brasileira de Cardiologia. Paraná, 128-134, 2009.

COZOLINO, Silvia. Biodisponibilidade de nutrientes. 3ª. Ed, Manole, Barueri, SP, 2009. POLUNIN, Miriam. Alimentos que curam. 2ª. ed., São Paulo, Marco Zero, 2007.

ANGELIS, Rebeca. A importância dos alimentos vegetais na proteção da saúde. 2ª. ed, São Paulo, Atheneu, 2006.

SILVA, Roberta. Saiba tudo sobre hidratação. Disponível em: http://maisequilibrio.terra.com.br/saiba-tudo-sobre-hidratacao-2-1-1-360.html. Acesso em: 25 jan. 2013.

KINHCOUNTY. Rethink your drink: Know the facts about soda and sugary drinks. Disponível em: http://www.kingcounty.gov/healthservices/health/nutrition/sugarydrinks.aspx. Acesso em: 24 jan. 2013.

VERONA, Aline. Estudo do PH e da titrabilidade ácida de refrigerantes. Programa Institucional de Iniciação Científica da Universidade Guarulhos. 2010. Disponível em: http://www.ung.br/arquivo/pesquisa/jic/IX/205/CBV_resumo_205.pdf. Acesso em: 23 jan. 2013.

ADA. Academy of Nutrition and Dietetics. Suplementos e substâncias ergogênicas para atletas. Disponível em: http://www.eatright.org/Public/content.aspx?id=7088. Acesso em: 19 dez. 2012. MS. Ministério da Saúde. Anvisa faz alerta para benzeno em produtos. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/agosto/anvisa_alerta_benzeno_produtos_0508.pdf Acesso em: 24 jan. 2013.

ANVISA. Agência nacional de vigilância sanitária. Alimentos para atletas. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/52bee2804745886b91ffd53fbc4c6735/RDC_18_2010.pdf?MOD=AJPERES. Acesso em: 19 dez. 2012. ADA. Academy of Nutrition and Dietetics. Suplementos e substâncias ergogênicas para atletas. Disponível em: http://www.eatright.org/Public/content.aspx?id=7088. Acesso em: 19 dez. 2012. FDA. US Food and Drug Administration. Disponível em: http://www.fda.gov/Food/ResourcesForYou/Consumers/ucm109760.htm. Acesso em: 19 dez. 2012.

Estudo sobre a mensuração da acidez de bebidas industrializadas não lácteas destinadas ao público infantil. 

Pesquisa do BNDES sobre o panorama do setor de bebidas no Brasil.

Aprofundamento

Texto da revista Economist sobre a história da bebida 

Texto sobre a história da indústria de sucos nos EUA

Site da escola de saúde pública de Harvard sobre bebidas saudáveis. 

Reportagem sobre a qualidade da água que bebemos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *