fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Pilates

O que é

Pilates é um sistema de exercícios de alongamento e fortalecimento da musculatura. Foi criado pelo alemão Joseph Pilates (1883-1967). Essa técnica busca melhorar o equilíbrio, a flexibilidade e a postura corporal.
Ela incorpora elementos de yoga, artes marciais e formas ocidentais de exercício. Aumenta e melhora a circulação sanguínea e também ajuda a diminuir o estresse.
Inicialmente adotada por dançarinos profissionais nos EUA como uma maneira eficaz de recuperação após lesões, essa prática está atualmente difundida em praticamente todo o mundo.
O pilates não emagrece, mas deixa o corpo mais ágil, flexível e forte. É um método baseado no conceito de tensão dinâmica, que significa exercitar um músculo contra outro, e voltado para a criação de uma série de movimentos contínuos. Em razão disso, o pilates é um tipo de exercício que propicia força, porém, sem aumentar a massa muscular, o que ajuda manter os corpos dos praticantes mais esguios.

Criação

A “contrologia”, nome dado inicialmente o método criado por Joseph Pilates, surgiu entre as décadas de 1920 e 1930, mesmo período em que o termo “holismo” foi empregado pela primeira vez. Jan Smuts, autor do livro Holismo e Evolução (1926), adotou o termo (também conhecido por “pensamento holístico”), para introduzir a idéia de que o todo não representa a soma de suas partes, mas opera segundo as relações que estas partes estabelecem entre si.

Segundo Jan Smuts, “a tendência da Natureza, através de evolução criativa, é a de formar qualquer ‘todo’ como sendo maior do que a soma de suas partes”. O pensamento holístico, por fazer parte de uma visão sistêmica do mundo, entende a realidade como algo complexo, instável e subjetivo. Assim, a “contrologia” está intimamente ligada à noção de que corpo, mente e espírito são uma coisa só. Dessa forma, ela “não somente desenvolve os músculos do corpo, a flexibilidade dos membros e o funcionamento dos órgãos vitais e das glândulas endócrinas, mas também purifica a mente e desenvolve o desejo.” (Frederick Rand Rogers, Presidente de Desenvolvimento Físico da América do Norte – O retorno à vida pela Contrologia).

 

Histórico

Joseph H. Pilates nasceu em 1883, na cidade de Mönchengladbach, Düsseldorf, Alemanha. Filho de um pai ginasta e uma mãe conhecedora dos remédios naturais, Joseph Pilates foi ainda assim uma criança doente, tendo sofrido de asma, raquitismo e febre reumática. Em razão da sua condição física e da falta de saúde, Joseph praticou como autodidata, desde sua infância, atividades como yoga, meditação zen, artes marciais, boxe, mergulho e musculação. Estudava anatomia, observava os animais e a natureza, pesquisava e experimentava tudo o que lhe permitisse se tornar um homem mais forte. 

Em 1912, Joseph Pilates viajou para o Reino Unido onde se instalou. Lá, praticou boxe profissional, atuou como artista de circo e trabalhou como instrutor de defesa pessoal para a Scotland Yard. Com o início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), Joseph Pilates, por ser alemão, foi preso numa antiga fábrica em Lancaster (Inglaterra). Foi nesse período que ele começou a desenvolver os princípios da contrologia, que posteriormente viria a se chamar método pilates. Mais tarde, foi transferido para um campo de concentração em Isle of Man —ilha que fica entre o Reino Unido e a Irlanda —, onde aprofundou ainda mais seu conhecimento ajudando prisioneiros e soldados feridos de guerra a se recuperarem através de uma prática física diária. Mesmo aqueles que estavam acamados, praticavam os princípios da contrologia na cama através do uso de molas, roldanas e tiras improvisadas.

Em seu retorno à Alemanha (1918), Pilates passou a treinar a polícia alemã, ensinando defesa pessoal. Foi nessa época que ele entrou em contato com importantes nomes da dança, entre eles, Rudolf Laban (1879-1958), dançarino, coreógrafo e analista do movimento; e Mary Wigman (1886-1973), coreógrafa alemã que incorporou em seu trabalho os exercícios de Joseph. No entanto, desapontado com a política social da Alemanha, Pilates se mudou para os EUA, em 1926.

No caminho para os EUA, ele conheceu sua futura esposa, Clara. Chegando em Nova York, Joseph e Clara abriram um estúdio no mesmo prédio onde existiam muitos estúdios de dança e de pesquisa. Foi nesta ocasião que nomes da dança como George Balanchine, Martha Graham, Ted Shawn, Ruth St. Denis, entre outros, entraram em contato com a contrologia. Muitos desses bailarinos acabariam incorporando os princípios em suas práticas de dança.

Joseph Pilates faleceu em 1967, em decorrência de problemas pulmonares. É possível que estes problemas tenham sido causados por ferimentos provocados pelo incêndio ocorrido em seu estúdio no ano anterior. Após sua morte, Clara continuou ensinando o método. Ela faleceu dez anos depois. Os dois não deixaram herdeiros. Em 1970, Romana Kryzanowska, uma das alunas de Joseph Pilates e Clara, passou a dirigir o estúdio criado pelo casal, em Nova York.

Após o falecimento de Joseph Pilates, alguns de seus discípulos diretos continuaram divulgando o método em várias partes dos EUA e do mundo. A primeira geração de divulgadores do pilates, os chamados elders, é composta por: Kath Grant, Lolita San Miguel, Ron Fletcher, Carola Trier, Romana Kryzanowska, Mary Bowen, Eve Gentry e Bruce King. Cada “elder” desenvolveu uma maneira específica de trabalhar, fruto das experiências individuais de cada um com a prática corporal e do movimento.        

Atualidade

O pilates é uma técnica que permite uma variação muito grande. Por ter uma quantidade enorme de exercícios, o método facilita a criatividade de seus divulgadores.

Essa característica a diferencia de outras técnicas, que são mais fechadas. Principalmente, no que diz respeito à aplicabilidade dos exercícios, que se adaptam facilmente às exigências físicas de cada pessoa. No entanto, por todas essas facilidades, o pilates também sofreu variações que se distanciam profundamente de seus princípios básicos.

Atualmente, encontramos uma infinidade de modalidades que derivam da mesma prática. No entanto, temos dificuldade de encontrar aulas que trabalham com a técnica criada por Joseph Pilates. Ou seja, seguindo tanto os princípios do método, quanto as sequências de exercícios básicos, intermediários e avançados, tal como eles foram formulados e tal como vêem sendo atualizados pela Pilates Methode Alliance (PMA) — associação sem fins lucrativos, fundada em 2005 nos EUA, que tem como objetivo regulamentar o mercado e certificar professores de pilates, através de parâmetros claros acerca do que foi historicamente e do que é o método pilates atualmente. Por todos esses motivos é importante que a certificação de pilates seja feita em lugares que seguem as recomendações da PMA, e que tenham no mínimo 1 ano de duração. 

Fundamentos

Concentração: Elemento chave para equilibrar mente e corpo. Concentrar-se no movimento no exato momento em que este está sendo executado auxilia na obtenção máxima do benefício que ele pode proporcionar ao corpo. Focalizar uma região do corpo enquanto se está trabalhando ajuda a trabalhar ainda melhor esta mesma região, ampliando assim os benefícios do exercício físico.

Controle: O princípio do controle é o motivo pelo qual o método pilates consegue reduzir o risco de lesões durante a atividade física. No pilates, nenhum movimento é executado descuidadamente ou sem precisão. Controle é a palavra chave para a qualidade do movimento que está sendo realizado.

Centro: A “casa de força”, como Joseph Pilates denominou o centro de força do corpo, é constituída pelos músculos abdominais e da coluna lombar, assoalho pélvico e diafragma. A energia necessária para a realização de todo e qualquer movimento, incluindo as atividades diárias, é produzida na “casa de força” e caminha externamente até as extremidades. Manter o centro de força ativado ajuda a promover uma boa coordenação na hora de realizar os movimentos. Assim como um bom equilíbrio entre as linhas de força do corpo, não sobrecarregando nenhuma parte em detrimento de outra.

Fluidez: Um dos princípios que faz com que a técnica de Joseph Pilates tenha se tornado tão difundida, uma vez que nela, a graça predomina sobre a velocidade e a energia dinâmica substitui os movimentos abruptos de outras técnicas. Assim, os movimentos são fluidos, como num longo passo ou numa valsa. Podemos ainda pensar nos movimentos dos felinos, por exemplo, quando se espreguiçam lenta e fluentemente.

Principais nomes

PRIMEIRA GERAÇÃO DE PROFESSORES:

Romana Kryzanowska (1923-2013): Bailarina da School of American Ballet de George Balanchine, Romana conheceu Joseph Pilates em 1941, após sofrer uma grave lesão no tornozelo. Tendo sido treinada por ele até 1944, Romana foi chamada por Clara para auxiliar na direção do estúdio, após a morte de Pilates, em 1967. Em 1976, com o falecimento de Clara, Romana assumiu a direção do The Pilates Studio. Romana difundiu o método pelo mundo, sempre defendendo a fidelidade às práticas criadas pelo casal Pilates.

Eve Gentry (1909-1994): Procurou Joe devido às lesões nos joelhos e nas costas. Master de dança moderna, ministrou aulas ao lado de Joseph e Clara durante trinta anos (de 1938 até 1968). Segundo ela, sua maneira de ensinar o método Pilates, sofreu influências da pedagogia de dança de Rudolf Von Laban, tendo sido a primeira professora de Laban Notation na América. Sofreu forte influência também de Hanya Holm, assim como do método somático de Moshe Feldenkrais (1904-1984). Em 1968, mudou-se para Santa fé (Novo México). Sua protegida, Michele Larson, continua passando seus ensinamentos até hoje.

Carola Trier (1913-2000): Combinou seu trabalho de Pilates com a dança e a acrobacia. Procurou Joe para tratar uma lesão no joelho e permaneceu com ele e Clara até a morte de Joe. Foi a primeira a abrir seu próprio estúdio, com a ajuda de Joe.

Kathy Grant (1921-2010) e Lolita San Miguel: Foram as duas únicas pessoas certificadas por Joseph Pilates, através do programa de subsídio federal de Reabilitação Vocacional de N.Y.

Ron Fletcher (1921-2011): Dançarino da Companhia de Martha Graham, Fletcher procurou Joseph Pilates em 1948 em razão de uma lesão no joelho. Estabeleceu com o mestre uma abordagem terapêutica, colaborando com o Sports Medicine Department and Dance Rehabilitation Division at St. Francis Hospital, em São Francisco. 

Mary Bowen: Filósofa, estudou psiquiatria jungiana além de ter sido atriz. Estudou com Joseph e Clara, nos anos 60. É responsável pela edição e venda do material original de Joseph Pilates.

Bruce King: Foi membro da Merce Cunningham Dance Company. Abriu seu próprio estúdio de Pilates em Nova York.

Outras visões

Muito se diz sobre a ausência de exercícios anaeróbicos no pilates, ou seja, que é uma prática que não queima calorias. O método também é muito comparado à musculação.

É preciso entender, primeiramente, que o objetivo do pilates não é puramente estético, embora muitas vezes ele possa ajudar na conquista de um corpo bem tonificado e uma musculatura bem desenhada. No entanto, é importante lembrar que nenhuma técnica sozinha é suficiente para ter um corpo saudável. E que é importante buscarmos também o equilíbrio emocional e espiritual para atingirmos nossos objetivos.

Como já foi dito, o pilates busca equilibrar o desenvolvimento de corpo e mente. E este é o seu maior propósito. Na musculação, muitas vezes o trabalho é o de estressar os músculos para que eles fiquem volumosos. Essa é uma direção exatamente contrária à do método pilates, que tem por princípio fortalecer e alongar ao mesmo tempo, trazendo também flexibilidade para o corpo.

Ramificações

Após o falecimento de Joseph Pilates, em 1967, a ex-aluna de Joe e Clara Pilates, Romana Kryzanowska assumiu a direção do estúdio em Nova York. Tendo ficado no comando do estúdio após a morte de Clara, Romana se considera “a única professora a aplicar o método original”. Em janeiro de 1996, teve início a histórica ação judicial contra Romana Kryzanowska e Sean P. Gallagher. Em outubro de 2000, foi decidido pela corte dos EUA que o registro da marca seria então cancelado e que pilates se tornaria um nome genérico para designar “um método de exercícios que se utiliza de equipamentos especiais e únicos.”

Pertencente à segunda geração de professores, Michele Larsson fundou, ao lado de Eve Gentry — sua professora por mais de 12 anos —, o Institute for the Pilates Method (1991). Em 1996, Michele fundou o Core Dynamics Pilates, em Santa Fé (Novo México), onde formou aproximadamente 300 instrutores de pilates. Michele leciona no mundo todo. Ele ensina os princípios tradicionais do método pilates e a técnica de Eve Gentry.

Entre as escolas com uma abordagem mais contemporânea, ou seja, que elaboraram seus próprios métodos ao longo de décadas tendo o suporte de especialistas em reabilitação, terapia e medicina esportiva estão, por exemplo, STTOT Pilates e Polestar, ambas conhecidas mundialmente. 

Principais obras

Your Health: A Corrective System of Exercising That Revolutionizes the Entire Field of Physical Education (1934) by Joseph H. Pilates and Judd Robbins (Editor)

Pilates’ Return to Life through Controlology. (1945) Joseph H. Pilates, William J. Miller, Judd Robbins (Editor) 

Quem influenciou

Os bailarinos e coreógrafos George Balanchine, Martha Graham, Rudolf Von Laban, Hanya Holm, Ted Shawn, Ruth St. Denis e Mary Wigman; o campeão dos pesos-pesados Max Shmeling (1905-2005); celebridades como Barbra Streisand, Betsy Bloomingdale, Nancy Reagen, entre muitos outros.

Fontes e inspirações

Joseph Pilates desenvolveu, ao longo de sua trajetória, um método influenciado por pesquisas e práticas em diversos ramos das artes e da ciência, tanto do Ocidente quanto do Oriente. Quando jovem, estudou anatomia como autodidata, observando livros e visitando bibliotecas. Estudou também yoga, meditação zen, mergulho, ginástica, artes-marciais e boxe, esporte pelo qual pilates atuou profissionalmente. Max Schmeling (1905-2005), boxeador campeão mundial peso-pesado na década de 1930 e amigo de Joseph, foi um dos que recorreu ao método para aprimorar sua prática esportiva. Conta-se que, mais tarde, o boxeador ajudou Joseph em sua mudança para os EUA (1926).

A maior fonte de inspiração de Joseph Pilates foi, sem dúvida, sua própria condição física. Tendo sido uma criança com muitos problemas de saúde — sofria de asma, raquitismo e febre reumática —, Joseph sempre se manteve determinado a fortalecer seu corpo frágil. A “contrologia”, como chamava sua arte de dominar os músculos através da mente, foi o sistema criado por ele para se fortalecer e ajudar pacientes com lesão e/ou com a saúde comprometida. Seu método se tornou tão eficiente que se alastrou pelo mundo todo, influenciando, reabilitando e modificando a vida de milhares de pessoas de todas as idades, com ou sem limitações.

 

Interligações

HATHA YOGA: A palavra yoga vem do sânscrito yuj cujo significado é conjunção, união, comunhão, integração. Segundo o professor Hermóneges, pioneiro da Medicina Holística no Brasil, sentimos uma inquietação que nada tem a ver com bens materiais, sexo, família, amigos etc. Essa sensação de estarmos desterrados se dá pelo fato de que precisamos transcender do estado de mediocridade que nos encontramos. Yoga também significa unificação de si mesmo. A hatha yoga — consiste numa educação psicossomática que tem como objetivo o aperfeiçoamento do corpo e da mente e a utilização das imensas potencialidades que dormem no homem e que ele desconhece. A hatha yoga é uma forma de terapia que busca introduzir equilíbrio onde há desequilíbrio, transformando o caos (desordem) em cosmo (ordem). Também pode ser considerada uma prática da medicina natural, pois aumenta a resistência e promove a saúde do corpo, “transformando-o em instrumento adequado à sintonia com os planos mais sutis do Universo”, permitindo o homem religar-se/unificar-se.

DANÇA: O método pilates, desde sua sistematização, influenciou bailarinos e coreógrafos de peso no mundo todo. A comunidade da dança é uma das principais responsáveis pela disseminação do método pelo mundo. As razões de tamanha proximidade ocorreram pelo fato de a técnica de Joseph Pilates ser extremamente eficaz no fortalecimento da musculatura estabilizadora do centro de força, chave principal para que os bailarinos possam executar os movimentos com maior fluidez e leveza possível. Além disso, o método pilates trabalha o corpo globalmente, o que para os bailarinos ajuda na estabilização do tronco em coordenação com a respiração. Aliando força, flexibilidade, precisão, fluência, alinhamento e controle dos movimentos, o pilates tornou-se uma prática riquíssima para todos aqueles que dançam.

GYROTONIC e GYROKNESIS: O gyrotonic é uma prática de movimento única que tem suas raízes na yoga, tai chi e na dança. Os exercícios do gyrotonic são compostos por movimentos espiralados e circulares, que fluem de forma integrada com a respiração. A fluência criada pelo gyrotonic permite que as articulações possam se mover livremente, sem que haja impacto sobre elas, permitindo o equilíbrio, alongamento, força e fluidez para o praticante.

Fontes de pesquisa

Siler, Brooke (tradução Angela Santos). O Corpo Pilates: um guia para o fortalecimento, alongamento e tonificação sem o uso de máquinas. São Paulo, Summus, 2008.

CGPA Pilates: Apostila Curso de Formação/Módulo I (Maria Cristina Abrami, Rosana Goyos Browne e Equipe CGPA)

Revista Pilates: www.revistapilates.com.br

The Pilates Center:http://web.archive.org/web/20061024051416/http://thepilatescenter.com/jhpilates.htm

The Pilates Biography: http://www.pilatesbiography.com/

ABRAPI (Aliança Brasileira de Pilates): http://www.aliancabrasileiradepilates.com.br/joseph-pilates

Autoperfeição com Hatha Yoga – Um clássico sobre saúde e qualidade de vida. Hermóneges. Editora Nova Era, 2006.

Crais, Colleen. Pilates com a bola. Ed. Phorte, São Paulo, 2005.

Core Dynamics Pilateshttp://www.coredynamicspilates.com/

Blandine Calais-GermainRespiração: Anatomia – Ato respiratório. Editora Manole, 2005

Aprofundamento

http://www.archives-pmr.org/article/S0003-9993(09)00845-4/fulltext

Blandine Calais-Germain e Bertrand Raison.

Pilates sem riscos: Os riscos mais comuns e como evitá-los. Editora Manole, 2012. http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/viewFile/660/671 http://www.clinicahomeostase.com.br/Tipos de fibras.pdf

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *