fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Plásticas

O que é

A cirurgia plástica pode ser dividida em dois tipos: Cirurgia plástica reconstrutora ou reparadora
Busca corrigir lesões ou ferimentos deformantes. Também é utilizada para resolver defeitos congênitos como é o caso de crianças com lábio leporino (fissura labial ou fenda palatina).
Cirurgia plástica cosmética ou estética
Busca apenas fazer um procedimento eletivo projetado para alterar a aparência de uma pessoa. Na grande maioria dos casos, esse tipo de cirurgia pretende adequar o corpo do paciente às noções contemporâneas de beleza, ou então tenta preservar uma aparência jovem.
Nesse tipo de cirurgia, cada proposta de tratamento deve ser feita por um profissional capacitado, o qual, durante a consulta, avalia, analisa e estuda as alterações corporais estéticas, antes de decidir pela operação.

Origem do nome

A palavra plástica vem do grego “plastikos”, que significa “moldar” ou “formar”.

Criação

Ferimentos de batalha

A cirurgia plástica começou a se tornar o que é hoje na passagem do século 19 para o 20. Seus primeiros passos ocorreram com médicos que buscavam tratar soldados que sofreram ferimentos de guerras. Foi na tentativa de melhorar a condição de homens mutilados, que a especialidade ganhou força.

Guerras mundiais

Em seguida, durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, alguns dos melhores cirurgiões do Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e Estados Unidos se dedicaram a restaurar os rostos e as vidas de seus compatriotas feridos nesses conflitos. Todo esse esforço serviu para aprofundar os conhecimentos na área, fundamentar procedimentos, facilitar o trabalho dos cirurgiões e também abriu campo para a criação de novas técnicas.

Pós-guerra

Da segunda metade da década de 1940 até 1959, surgem as primeiras clínicas especializadas em cirurgias plásticas. Também são publicados os primeiros trabalhos científicos voltados para esse tipo de procedimento cirúrgico. Publicações como o norte-americano Journal of Plastic and Reconstructive Surgery passam a tratar exclusivamente das novidades dessa área de conhecimento.

Anos 1960 e 70

É nesse período que surge a cirurgia plástica moderna. Nesse período, são acoplados ao corpo de conhecimento sobre o assunto novas descobertas na área de microcirurgia e na utilização de silicone, produto que surgiu na década de 1960.

Anos 1980

Momento em que as práticas se estabelecem, principalmente o tumescimento e o tratamento de celulite. A cirurgia plástica ganha a grande mídia e passa a se tornar sonho de consumo de uma sociedade cada vez mais voltada para a busca do corpo perfeito e da juventude.

Século 21

Em países como Estados Unidos e Brasil, a cirurgia plástica e a lipoaspiração passam a se tornar algo cada vez mais comum, o que aumenta a quantidade de casos graves de pós-operatórios e uma preocupação cada vez mais de organizações públicas como o Conselho Federal de Medicina e Ministério da Saúde. Em razão disso, várias normas para garantir a segurança dos pacientes são aprovadas. 

Histórico

Antiguidade

A cirurgia plástica não é um conceito novo. Na Antiguidade, ela já era utilizada. No texto sânscrito Sushruta-samhita — um dos clássicos da medicina Ayurveda —, escrito por volta de 600 a.C. pelo médico hindu Sushuruta, há uma descrição muito pertinente de um tipo de cirurgia plástica: a reconstrução de nariz com tecidos retirados do queixo.

Renascença

Durante a Renascença, o cirurgião italiano Gaspare Tagliacozzi (1545-1599) e seu colega francês Ambroise Paré (1510-1590) adotaram procedimentos que acabariam servindo de inspiração para médicos modernos. Os dois criaram novas técnicas para reconstruir tecidos, inclusive de ferimentos graves sofridos durante guerras. Paré foi cirurgião de quatro reis franceses: Henrique II, Francisco II, Carlos IX e Henrique III. Já Tagliacozzi revolucionou o processo que hoje é conhecido como rinoplastia.

Luigi Galvani

A partir de 1773, Luigi Galvani medico cirurgião e professor de anatomia, descobre os aparelhos que fazem  estímulos musculares com 2 metais condutores de energia elétrica em rã. Depois, ele adaptou esses mecanismos para os humanos, e assim foi criado o aparelho de contração muscular que posteriormente acabaria sendo utilizado para tratamentos estéticos não invasivos. Em cima desse conceito elétrico outros pesquisadores basearam seus estudos na área para a recuperação da forca dos músculos humanos. Nos anos 1930, esses aparelhos elétricos começam ser utilizados nos tratamentos  de estética, limpeza de pele e depilação definitiva.

Gräfe

Karl Ferdinand von Gräfe (1787-1840) foi o primeiro a utilizar o termo e a realizar o que é hoje considerada uma cirurgia plástica moderna. Ele foi superintendente dos hospitais militares do Exército Alemão durante as Guerras Napoleônicas (1800-1815) e professor da Universidade de Berlim.

É o grande responsável por inúmeras inovações na área. Gräfe fez, por exemplo, várias adaptações ao método italiano criado por Tagliacozzi de cirurgias no nariz (rinoplastia). O cirurgião alemão foi o primeiro a utilizar o termo “plástica” em seu sentido moderno. A palavra aparece no texto Rhinoplastik, escrito em 1818 por Gräfe.

Guerras Mundiais

As cirurgias plásticas ganharam ainda mais força durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, período que vai de 1914 até 1945. Foi nessa época que os Estados Unidos criaram instituições voltadas apenas para cirurgias plásticas. A American Society of Plastic Surgeons foi criada em 1931 e a American Board of Plastic Surgery fundada em 1937.

Emil e Astrid Vodder

O casal de fisioterapeutas austríacos Emil e Astrid Vodder em 1936, estudaram Naturologia na Alemanha e pesquisaram o sistema linfático. Em seguida, desenvolveram a técnica de massagem chamada drenagem linfática para tratamentos de sinusites e gripes, as quais foram depois adaptadas para os tratamentos estéticos.

Ivo Pitanguy

Na década de 1940, o brasileiro Ivo Pitanguy começa sua caminhada para se tornar uma das maiores referências da área de cirurgia plástica. Começou a estudar medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, mas acabou se formando pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1946. Depois disso, em 1947, passou a atuar no Departamento de Cirurgia Geral do Hospital de Nossa Senhora do Socorro, no Rio de Janeiro. Em 1949, é convidado para ser médico assistente estrangeiro do Dr. John Longacre, chefe do serviço de cirurgia plástica no Bethesda Hospital, em Cincinnati, Ohio, nos Estados Unidos. Trabalhou depois nas áreas de cirurgia de hospitais em Paris, na França, e Londres, no Reino Unido. Em seguida foi “visiting fellow” das áreas de cirurgia plástica de vários hospitais e clínicas na Alemanha, Suécia e Argentina.

Anne Marie Klotz

Anne Marie Klotz, anos de 1950, uma brasileira filha de franceses, depois de ficar um tempo na Franca, volta ao Brasil para morar em Copacabana, no Rio de Janeiro.

Trouxe na mala alguns cremes e aparelhos franceses para fazer massagem, outros aparelhos de corrente elétrica para limpeza de pele. No começo, só atendia as amigas na sua casa. O sucesso foi tão grande que após um curto período, por volta de 1954, fundou o Instituto France-Bel, uma escola para a formação de esteticistas. Com a ajuda de um químico, ela criou a sua própria linha de cosméticos: a France-Bell. Em seguida, passou também a  criar aparelhos de alta tecnologia voltados para a área de estética.

Microcirurgia

Foi nesse período que cirurgiões como o canadense Harry J. Buncke, o japonês Susumo Tamai e o austríaco Hanno Millesi criaram as técnicas que definiram a microcirurgia, a qual abriu caminho para as plásticas voltadas para área de estética.

Lipoaspiração

Na Itália, em 1974, o cirurgião Giorgio Fisher e seu pai Arpad criaram a técnica de lipossucção ou extração de gordura através de pequenos orifícios.

Nos anos seguintes, a técnica foi aprimorada na França por Yves G. Illouz, que apresentou a cânula de aspiração acoplada a uma bomba de vácuo, e Pierre Fournier, o qual passou a associar a tais procedimentos cirúrgicos o uso da anestesia a frio, o que ajudou a diminuir a perda de sangue no momento da aspiração da gordura.

Em 1980, no Brasil, a técnica de lipoaspiração foi demonstrada no Rio de Janeiro pelo médico francês Yves G. Illouz e o Dr. Luiz Haroldo Pereira, cirurgião plástico carioca especializado em lipoaspiração. Foi o inicio de sucessivas inovações técnicas que colocaram o país em destaque.

Técnica tumescente

Em 1987, Jeffrey Klein publicou a técnica tumescente, com a qual se tornou possível evitar a utilização de anestesia geral durante as cirurgias plásticas. Nessa técnica, o cirurgião associa uma solução de soro à anestesia no local a ser aspirado, para diminuir o sangramento e facilitar a aspiração de gordura. Após a criação de Klein, as lipoaspirações se tornaram mais seguras e passaram a ser feitas com anestesia local. Isso também barateou o valor desses procedimentos.

Tratamento de celulite

As técnicas foram sendo aprimoradas ao longo do tempo permitindo até permitir a aspiração de varias regiões do corpo na mesma cirurgia e diminuindo os riscos de sangramento. A partir de 1990, em Roma, o cirurgião plástico Marco Gasparotti passou a realizar o método de aspiração mais superficial, para tratar também da celulite. Subcisão é outro método cirúrgico superficial para tratamento de celulite, indicado para os avançados graus 3 e 4. Consiste na introdução subcutânea de agulhas ou cânulas cortantes, as quais são utilizadas para romper as fibras que formam o aspecto de ondulações e depressões na pele.  

Novas técnicas

Em 1998, na busca de facilitar a rotina do cirurgião, inúmeras pesquisas acabaram ajudando a acrescentar técnicas inovadoras. São elas: vibrolipoaspiração: utiliza a cânula com um vibrador em sua base, essa vibração gera uma movimentação da cânula em todas direções, retirando a gordura de maneira rápida e homogênea, não traz desgaste ao medico e torna o resultado da cirurgia eficiente;

laser lipólise: tem a finalidade de diminuir o sangramento intenso e as fortes dores que surgem no pós-operatório da lipoaspiração.

Transplante de face

Em 2005, Isabelle Dinoire se tornou a primeira pessoa a fazer um transplante completo de face. A cirurgia foi feita no Hospital de Amiens, na França. Ela, que teve o rosto mordido por um cão da raça labrador, foi operada com sucesso em 25 de novembro daquele ano. 

Atualidade

A procura por cirurgias plásticas cosméticas ou estéticas cresceu muito nas últimas décadas. O Brasil é o segundo país no mundo a realizar cirurgia plástica, sendo a lipoescultura a intervenção mais procurada. Apenas os Estados Unidos têm um número maior de cirurgias plásticas do que o Brasil.

Em território nacional, o maior problema do setor é a crescente quantidade de procedimentos desse tipo feitos por médicos ou pessoas não gabaritadas. Nos últimos anos, foram vários os casos de médicos indiciados por lesão corporal gravíssima em razão de complicações ocorridas após cirurgias plásticas. Também não foram poucos aqueles profissionais da área de saúde que acabaram obrigados a indenizar pacientes mutilados durante cirurgias plásticas.

Outro procedimento rodeado por casos de complicações são as lipoaspirações feitas em clínicas não preparadas para a solução de possíveis problemas durante o procedimento.

Em 2004, segundo a Sociedade Americana dos Cirurgiões Plásticos, de 400 mil cirurgias plásticas feitas nos Estados Unidos, 0,34% apresentaram sérias complicações. Esse número corresponde a um caso grave a cada 298 operações. Do total de cirurgias, ocorreu um óbito para cada 51.459 tratamentos.

Em 2007, um estudo semelhante apresentou números parecidos. No entanto, no Brasil, não há nenhum levantamento desse tipo. Porém, os casos de morte ou graves situações pós-operatórias têm presença constante no noticiário.

Foi pensando nesses casos que o Conselho Federal de Medicina tornou obrigatório que cirurgias de lipoaspiração sejam “executadas em salas de cirurgias equipadas para atendimento de intercorrências inerentes a qualquer ato cirúrgico”.

Terapias não invasivas

Apesar de muitos tratamentos estéticos não invasivos ter adquirido muita força nos anos de 1980, foi no no século XXI que uma verdadeira revolução tecnológico ocorreu, principalmente no Brasil.

A partir dos anos 2000, muitos investimentos nas pesquisas e criação de aparelhos e cosméticos, adequado  com a realidade da população brasileira, como o clima, cultura e hábitos. Atualmente, as indústrias desse setor continuam aumentando os investimentos tecnológicos e científicos na área.

Fundamentos

Beleza – Não só as cirurgias reparadoras, que buscam resolver problemas como lábio leporino ou atenuar a visibilidade de cicatrizes, são o alvo dos médicos dessa área. Muitas pessoas recorrem a cirurgiões para alterar sua aparência em razão da busca pelo corpo perfeito e pela beleza estabelecida por padrões criados pela grande mídia e as agências de publicidade. Esses são os principais motivos para o alto número de cirurgias estéticas no Brasil e no mundo. A indústria da beleza encoraja cada vez mais meninas e meninos a buscarem o corpo perfeito. Uma prova disso é o crescimento do número de cirurgias plásticas em adolescentes no Brasil. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a quantidade de cirurgias plásticas em adolescentes entre 14 e 18 anos mais do que dobrou em quatro anos. Foi de 37.740 procedimentos em 2008 para 91.100 em 2012, o que representa um crescimento de 141%.

Tecido adiposo – Também conhecido como um reservatório energético para o organismo, o tecido adiposo pode ser localizado em toda superfície do corpo entre a pele e o músculo e possui a capacidade de regular de armazenar gordura. Outra importante função da gordura e a proteção do corpo contra os traumas e choques

Gordura localizada – O nosso organismo necessita de uma quantidade diária de calorias para desenvolver nossas atividades cotidianas. Precisamos ter um equilíbrio entre a ingestão dessas calorias e a necessidade de energia, isso varia de acordo com a rotina diária individual, ou seja, o consumo metabólico do nosso corpo, caso contrario o excesso ficara depositado em forma de gordura.

Na maioria dos casos, a lipoaspiração é utilizada para retirar essa gordura. Somente em 2011, foram feitas no Brasil 211 mil lipoaspirações.

Celulite – Conhecida popularmente como “celulite”, clinicamente tem o nome de hidrolipodistrofia ginoide. Ocorre especialmente nas pessoas do sexo feminino desde a adolescência até a fase adulta. Acomete cintura, glúteos, abdome e coxas. Essa alteração compromete o aspecto visual estético da pele pelas ondulações. Quando não tratadas podem aparentar um aumento de volume do tecido gorduroso associado ao envolvimento das fibras de colágeno que tracionam a pele para baixo.

A celulite modifica a estrutura da pele, o que resulta no aumento de água e sódio, gerando compressão dos vasos sanguíneos, linfáticos e nervos. Isso gera desconforto, inchaços, cansaço nas pernas e dores localizadas. A celulite pode ser classificada em graus, I, II, III, IV. Nas formas clínicas sua classificação é dura, flácida e edematosa.

  • Grau I – Forma mais branda com pouca alteração estética visível na pele.
  • Grau II – Presença de pequenas depressões, leve aparência na pele.
  • Grau III – Presença de depressões de variados tamanhos, com alterações bem visíveis na pele. Também podem ser sentidos quando tocados.
  • Grau IV – Fase mais avançada, quando a celulite apresenta micro nódulos gordurosos agrupados, desorganizados e bem visíveis na pele. Ocasiona dores pela compressão dos nervos da pele.

 

Flacidez cutânea e muscular – Hipotonia é um termo que se refere à falta de tensão e firmeza. Conhecida como flacidez, seja na pele ou no músculo, sendo muito frequente seu aparecimento nas duas estruturas. Decorre de vários fatores, tais como: idade avançada, aumento e redução de peso (conhecido como “efeito sanfona”), predisposição genética, maus hábitos alimentares, vida sedentária, uso de roupas inadequadas. Na prática, a flacidez surge quando o colágeno se torna gradualmente menos elástico, perdendo a capacidade de sustentação da pele.

No músculo, a flacidez ocorre por fatores semelhantes aos da pele, sendo acentuada pela falta de atividade física, maus hábitos de vida cotidiana, aumento exagerado de peso e alterações posturais. As áreas de maior ocorrência são: abdome, glúteo, coxas e braços.

Para diferenciar as duas alterações deve-se observar as dobras e vincos na pele e, por meio de pinçamentos, verificar as associações da flacidez cutânea e muscular.

Estrias – Lesões que acometem a pele que se dão pelo rompimento das fibras elásticas localizadas na camada subcutânea, abaixo da epiderme. Aparecem de forma linear, paralelas entre si, seguindo as linhas de tensão da pele. Muito comuns na adolescência, pelo crescimento rápido, ou em situações de aumento de peso, como na gestação ou na obesidade corporal. Acometem mais as regiões de glúteo, abdome, coxas e mamas. Em sua fase inicial, as estrias apresentam coloração roxo-avermelhada, pela presença do processo inflamatório e circulação sanguínea. Na fase tardia, as estrias perdem a coloração e se apresentam brancas, sem pigmentação, o que é explicado pela falta de circulação sanguínea. Nesse estágio, seu tratamento demanda mais tempo por sua complexidade. Os tratamentos oferecem bons  resultados .

Para as estrias são realizados os seguintes tratamentos

Peelings químicos  media abrasão –  associados as máscaras nutritivas. Este conjunto de cosméticos estimulam o processo de renovação celular e formação de colageno .  

Laser de media abrasão – atinge a camada profunda da pele estimula a formação de colágeno

Peeling Profundo – destrói ou elimina os tecidos até o nível da derme e estimula a formação de colágeno

Carboxiterapia – é uma técnica invasiva realizada por médicos e fisiotrerapeutas. São estímulos de gas carbônico, introduzido por  uma agulha paralela a pele . Esse gas estimula a formação de colágeno e preenchimento da estria.  

Radiofrequência – é um novo conceito tem sido utilizado nas peles com estrias,  flacidez e celulite  Esse aparelho  quando esta em contato com a pele gera calor na profundidade da pele  na media de 39 graus, esse calor estimula a formação de preenchimento e sustentação da pele ,após algumas semana com essas  sequencias de aplicação as estrias aparentam uma diminuição da espessura e uma melhor sustentação e firmeza da pele .   

Na prática

Consulta

Na maior parte dos casos, o primeiro passo para uma cirurgia plástica é a consulta com o cirurgião responsável, o qual deve informar se o procedimento deve ser feito e quais os cuidados que o paciente deve ter.

Riscos

O cirurgião deverá informar o que deve ser feito antes, depois e após a cirurgia. Em alguns casos, é necessário que o paciente também tenha algum tipo de amparo psicológico. É bom sempre deixar claro que toda cirurgia oferece riscos ao paciente. No pior dos casos, podem levar à morte.

Anestesia

Alguns desses procedimentos são feitos com a utilização de anestesia geral, depois da qual o cirurgião infiltra soro com anestésicos para deixar a gordura mais líquida e fácil de aspirar.

Essa aspiração é realizada com cânulas conectadas no equipamento de sucção numa pressão negativa de 40 mmHg (milímetros de mercúrio), suficiente para aspirar o excesso de gordura e líquidos que estão abaixo da pele. O cirurgião precisa estar certo da inclinação da cânula de sucção para não causar danos de perfuração nos órgãos internos. Também há sempre esse risco durante esse tipo de tratamento. A plástica é um procedimento cirúrgico e, como qualquer outro, envolve riscos. Seu aconselhamento só pode ser feito por profissionais capacitados.

Recuperação

A pessoa submetida à cirurgia sente-se fraca nos 20 dias seguintes à cirurgia, o que requer cuidados de repouso e nutricionais. A pessoa deve se manter deitada na maior parte do tempo e alternar o repouso com movimentos leves durante o dia. A alimentação deve ser rica em proteínas e vitaminas para que a recuperação seja o mais tranquila possível.

O pós-operatório pode ter consequências inesperadas, como infecção e anemia. Quando isso ocorre, o tempo de recuperação se torna maior. No caso das lipoaspirações, a recuperação é marcada por dores, ardor, inchaço, hemorragias e falta de sensação na parte operada. A pessoa também acaba usando cintas e ligaduras nas áreas tratadas. Isso é feito para controlar o inchaço e as nódoas que a operação produz e que levam cerca de 4 a 6 semanas para desaparecer.

Tratamentos não invasivos para combater a celulite

Esses tipos de práticas vão desde as realizadas por esteticistas até aquelas que podem ser feitas em casas. Entre elas, vamos encontrar inúmeros tratamentos. As mais comuns são associações de bandagens de sal marinho, equipamentos de ultrassom, massagens de drenagem linfática ou massagem modeladora e cremes que melhoram a circulação local e textura da pele.

Cuidados caseiros

Esfoliar a pele com o uso de um sabonete esfoliante diariamente e ingerir no mínimo 2 litros de água por dia são os cuidados que podem ser tomados em casa para melhorar a pele.

Ter uma alimentação balanceada em calorias rica em frutas, legumes e verduras.

Realizar atividade física periodicamente (pelo menos 4 vezes por semana), por no mínimo 40 minutos ao dia. Optar por atividades aeróbicas, ou seja, que façam queima calórica, como caminhada, corrida, dança, bicicleta etc.

Higienização e esfoliação

São procedimentos importantes que limpam e preparam a pele para receber tratamentos cosméticos. Isso é feito porque as células mortas foram removidas e a circulação sanguínea aumentada.

Na maioria dos casos, a higienização é realizada na área que vai ser tratada com uma loção antisséptica e o auxílio de um algodão ou lenços umedecidos. A esfoliação é um procedimento que deve ser realizado com movimentos circulares de forma ascendente na região a ser tratada com um veículo em creme, gel ou gel-creme.

Tratamento com ultrassom

O aparelho de ultrassom possui vários efeitos fisiológicos que são benéficos para combater a gordura localizada, entre eles, podemos destacar o efeito mecânico que possuiu algo semelhante a uma micro massagem no tecido que promove um aumento da circulação de fluidos intra e extracelulares, facilitando a retirada de catabólitos e a oferta de nutrientes.

Também temos como benefício o aumento da permeabilidade da membrana e o aumento da taxa metabólica que auxilia na oxigenação tecidual, na melhora das funções celulares, trazendo um enorme benefício ao tecido adiposo.

Pode se fazer uso da bandagem, rica em sais minerais e algas marinhas desidratadas, possui a propriedade anti-inflamatória, remineralizante e antioxidante. Associada a esta técnica utilizamos a manta térmica por 30 minutos para potencializar a ação da bandagem e aumentar a circulação sanguínea local.

O aumento da circulação sanguínea e linfática e a elevação da temperatura leva a célula a produzir uma quantidade maior de oxigênio.

Para as alterações estéticas corporais normalmente são indicadas massagens manuais ou mecânicas conhecidas como dermotonia. As indicações podem variar de acorda com a fase de cada alteração corporal.

Massagens manuais

Para as massagens manuais temos a modeladora e a drenagem linfática. Esta última é indicada para o tratamento de celulite, pois facilita o funcionamento do sistema linfático, ativando o automatismo dos vasos linfáticos, auxiliando na reabsorção de edemas e consequentemente no sistema circulatório, visto que a celulite inicia o seu processo de formação por uma deficiência nesse sistema ocasionando um acumulo patológico de líquido (linfa) no interstício.

Já a massagem modeladora proporciona melhora da maleabilidade tecidual, aumento da circulação sanguínea e linfática, remoção de produtos catabólicos, estimulo nas funções autonômicas e viscerais, auxílio na penetração de ativos cosméticos, entre outras funções.

Massagem mecânica

A dermotonia é um equipamento que realiza massagens mecânicas. Serve para melhorar a disfunção circulatória visto nos quadros de celulite, promove o aumento do movimento dos líquidos corporais.

Além disso, também favorece as trocas gasosas teciduais com o movimento de sucção exercido pela pressão negativa da ventosa. Quando feita corretamente, essa técnica produz a diminuição da flacidez suave ou moderadas, pois sua aplicação estimula as fibras colágenas e elásticas e descongestiona o tecido devolvendo a tonicidade normal da pele.

Máscaras de argila

As argilas são ricas em silício e oligoelementos. Os efeitos principais vistos na argila verde são tensor e a ação desintoxicante, contribuem também para o equilíbrio celular e para o tratamento de gordura localizada, utiliza se uma máscara de espessura média, dissolvida em água, que deve ser utilizada por 20 minutos. Para conseguir bons resultados, o tratamento com máscara de argila deve ser realizado de 2 a 3 vezes na semana.

Principais nomes

Ivo Pitanguy Médico brasileiro responsável por trazer para o país especialidade de cirurgias reparadoras e plásticas.

No início, essas técnicas foram realizadas com objetivos de cuidar das pessoas com queimaduras e sequelas de queimaduras na pele.

Em cima dessas especialidades reparadoras o doutor Pitanguy criou e aprimorou técnicas de cirurgias para corrigir rugas e excesso de pele. Com o sucesso dos procedimentos, essas plásticas na face se tornaram referência mundial.

Outras visões

Toda cirurgia, mesmo que na busca da beleza plástica, é uma forma de agressão ao corpo. Deve-se levar em consideração os efeitos da anestesia, pois esse procedimento, além de promover analgesia e relaxamento muscular também podem causar depressão cardíaca e respiratória.

O corte ou incisão, os pontos cirúrgicos e consequentes cicatrizes, por sua vez, podem resultar numa aparência nada estética e comprometer os resultados, deixando os resultados piores do que o quadro anterior à cirurgia.

A lipoaspiração não corrige excesso de pele, nem estrias. É necessária a ingestão de uma quantidade maior de medicamentos para diminuir dores e desconfortos após uma cirurgia plástica ou uma lipoaspiração. São comuns inchaços crônicos decorrentes das cirurgias.

Ramificações

Atualmente os procedimentos ligados às duas formas de cirurgia plástica (a de reconstrução e a estética) se dividem em inúmeras especialidades. Entre elas, as mais conhecidas são:

Cirurgias plásticas para tratar câncer de pele

Buscam deixar as remoções das lesões cancerígenas com uma aparência melhor.

Lipoaspiração e contorno corporal

Técnica utilizada tanto por homens quanto mulheres. Na maioria dos casos, é puramente estética. Procura reduzir a silhueta através de técnicas como a abdominoplastia (redução de abdome), a braquioplastia (retirada da aparência flácida dos braços), o lifting de coxa (para modelar as pernas) e a pós bariátrica, que é uma plástica para pessoas que perderam grande quantidade de peso.

Cirurgia da mão

Procura resolver qualquer tipo de deformidade, principalmente aquelas ligadas à função e à flexibilidade dos dedos. É utilizada para restaurar movimentos e tratar problemas como: síndrome do túnel do carpo; artrite reumatoide; e contratura de Dupuytren.

Correção de cicatriz

Plásticas voltadas para resolver processos de má cicatrização ou então para reduzir a visibilidade de uma cicatriz.

Expansão de tecido

Essa técnica coloca um balão expansor de silicone sob a pele perto da área a ser reparada. Após receber periodicamente uma quantidade de água salina, ele estica a pele e a torna maior. Essa parcela maior de pele é utilizada para reparar problemas como defeitos congênitos ou tratamentos estéticos.

Plásticas da face

Os músculos da mimica facial têm padrões individuais de movimentos. As alterações funcionais na mastigação, falhas dentarias, falta de lentes corretivas para os olhos e sensibilidade à luz podem alterar a harmonia muscular e determinar o desenvolvimento de rugas e deformidades no contorno da face.

Rugas de expressão ou rugas dinâmicas são linhas marcadas na pele da face, é um processo fisiológico que se inicia desde o nascimento. Suas primeiras repercussões estéticas se evidenciam entre os 25 e 30 anos, com aparecimento de rugas que afeta as camadas da pele epiderme a derme e a hipoderme.

Correções invasivas realizadas pelo médico especialista em cirurgia plástica ou reparadora

A cirurgia facial é um procedimento delicado, pois deve se levar em consideração a estética e o aspecto funcional, correção de deformidades ou traumas. O objetivo é a harmonia e o equilíbrio da beleza. O ponto de vista ideal é realizar analises e estudos das linhas do rosto, seria recomendável um aconselhamento psicológico anterior, pois nem sempre o problema é estético, e a cirurgia tem caráter definitivo, se houver insatisfação dos resultados , não tem como voltar o tempo e corrigir o arrependimento. As cirurgias plásticas podem corrigir o excesso de pele e são realizadas em várias áreas do rosto.

Entre os procedimentos feitos no rosto estão: a blefaroplastia, correção realizada nas pálpebras superior ou inferior; a mentoplastia ou cirurgia do queixo; a rinoplastia ou cirurgia do nariz, a suspensão superciliar, também conhecida como suspensão da testa e atualmente substituída pelo uso da toxina botulínica (botox); a ritidoplastia, ou plásticas das rugas; e a lipoaspiração facial, na qual o cirurgião utiliza uma cânula fina e suga a gordura da face. Essa técnica é indicada para as pessoas que tem excesso de gordura na papada, laterais do rosto e contorno da maçã do rosto.

Cuidados pós-operatórios

Durante o período pré e pós-cirúrgico, algumas medidas são adotadas para garantir a qualidade fisiológica e a recuperação mais rápida.

O cirurgião pedirá os exames laboratoriais, avaliação do cardiologista e teste de coagulação, para garantir uma cirurgia tranquila.

O paciente deverá ficar sem fumar desde 15 dias antes até 30 dias depois da cirurgia. A alimentação deverá ser feita com a ingestão de alimentos saudáveis ricos em proteínas e vitaminas, como frutas, legumes, verduras, devem fazer parte da rotina alimentar.

O uso de tintas e produtos químicos deve ser evitados nos cabelos e na face, para evitar processos alérgicos.

A depilação na face pode ser realizada até uma semana antes da data da cirurgia.

As unhas deve estar sem esmalte para que o anestesista acompanhe a oxigenação pela coloração da pele sob da unha.

Correções minimamente ou pouco invasivas

Esses procedimentos são realizados pelo médico especialista em dermatologia estética para corrigir pequenas alterações:

Preenchimento

É a técnica de correção de sulcos, rugas e cicatrizes, aumento do volume dos lábios, queixos e mandíbulas, elevação da ponta nasal e correção de imperfeições causadas por traumas ou perda de tecido facial.

Pode ser realizado de diversas formas e uma das técnicas mais comuns é a injeção de gordura, que é retirada do paciente por meio de lipoaspiração e injetada na derme, camada intermediaria da pele.

Outra forma muito utilizada é a aplicação de ácido hialurônico, composto que aumenta o tecido mole de maneira uniforme e possui alta capacidade de hidratação da pele.

O ácido hialurônico é normalmente encontrado no corpo humano, no cordão umbilical, na pele, nas articulações e em algumas aves e peixes. Com o passar do tempo, quantidade desse ácido diminui progressivamente principalmente na face, em razão do envelhecimento natural e ação dos raios ultravioleta (fotoenvelhecimento).

O tratamento com a substância não é definitivo, pois a absorção do liquido ocorre lentamente e tem durabilidade em torno de 12 meses. É contraindicado para as pessoas com doenças do colágeno (lúpus, esclerodermia), hipersensibilidade a implantes de colágeno e a componentes aviários bacterianos.

O preenchimento sintético ou definitivo é outra opção de tratamento. É indicado para depressões mais profundas da pele, como perda de tecido subcutâneo pós-traumas ou acidentes, cicatrizes pós-cirúrgicas, depressões pós-acne e correção de deformidades nasais com depressões ou desvios.

Como o volume local se reduz após um mês pela adaptação do material sintético na área injetada, é necessário aguardar um período para avaliar o resultado final do procedimento. Sua durabilidade o torna apropriado para implante definitivo. É contraindicado para rugas superficiais e pálpebras.

Por fim, há os preenchimentos sólidos ou fios e placas maleáveis. Esses materiais, inicialmente utilizados em outras especialidades, se mostraram inertes, duráveis, não reabsorvíveis e não alergênicos. Após longo período, em razão da grande movimentação facial, pequenos deslocamentos do implante podem ocorrer. São contraindicados para pessoas alérgicas ao material.

Toxina botulínica

A toxina botulínica é utilizada para diminuir rugas mais leves. Injetada nos pontos motores, ela causa uma paralisia muscular temporária ao bloquear a liberação de neurotransmissores responsáveis pelos movimentos faciais. Nesse processo, o músculo fica em repouso forçado. Após passar o efeito da substância, ele volta à posição normal, porém mais fraco.

Esse é a dinâmica que gera o rejuvenescimento facial e prolonga a suavidade nas linhas de expressão em pontos de muita movimentação. Pontos com rugas na testa, o sulco entre as sobrancelhas e os famosos “pés-de-galinha” são as áreas mais beneficiadas com procedimento. O efeito do tratamento é de 4 a 6 meses.

Lábio leporino

Procedimento cirúrgico que visa exclusivamente reparar o problema de fenda palatina, ou seja, é usada para corrigir o desenvolvimento anormal dessa região da face.

Plásticas nos seios

As cirurgias voltadas para essa região do corpo são:

Mamoplastia de aumento: que usa volume de silicone s para tornar maiores os seios femininos;

Mamoplastia redutora: que remove o excesso de gordura e glanulas e tecidos mamários dos seios femininos ou masculinos (ginecomastia);

Mastopexia ou lifting de mama: reposiciona a aureóla e o tecido mamário;

Reconstrução mamária: associada ao implante de silicone.

Principais obras

História da Beleza

A obra de Umberto Eco mostra obras-primas de vários séculos, as quais também são ícones da beleza da história humana.

Direito à beleza

Livro escrito pelo cirurgião Ivo Pitanguy no qual ele explica que a beleza não é a perfeição física, mas o equilíbrio entre corpo, mente e espírito.

Cirurgia Plástica – 472 Perguntas e Respostas Comentadas

Livro de Sérgio Carreirão voltado para aqueles que querem se aprofundar no debate em torno das cirurgias plásticas. Tem um formato útil e muito prático.   

Quem influenciou

As cirurgias plásticas desenvolvidas por médicos como Ivo Pitanguy influenciaram inúmeras universidades. Atualmente, muitas delas possuem áreas voltadas exclusivamente para o ensino de técnicas desse tipo de procedimento.

É possível afirmar que essa área ganhou muito interesse em função da inegável dos desenvolvimentos ocorridos nos últimos 20 anos e das enormes possibilidades financeiras que esse setor oferece.

Em razão disso, a resolução número 1621/2001  do Conselho Federal de Medicina definiu que a cirurgia plástica é especialidade única, indivisível e como tal deve ser exercida por médicos devidamente qualificados, utilizando técnicas habituais reconhecidas cientificamente.  

Fontes e inspirações

Ivo Pitanguy

Na década de 1940, o cirurgião brasileiro Ivo Pitanguy começa sua caminhada para se tornar uma das maiores referências da área de cirurgia plástica. Começou a estudar medicina na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, mas acabou se formando pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1946. Depois disso foi interno do departamento de cirurgia geral do Hospital de Nossa Senhora do Socorro, no Rio de Janeiro.

Em 1947, participou de um concurso para receber uma bolsa de estudos do Institute of International Education. Foi o vencedor. Passou um ano estudando nos EUA, onde acabaria se tornando, no ano seguinte, residente-chefe no serviço de cirurgia geral do Bethesda Hospital, em Ohio, nos EUA.

Em 1949, Pitanguy se tornou médico assistente estrangeiro do Dr. John Longacre, que então era chefe do serviço de cirurgia plástica no Bethesda Hospital, em Ohio, nos Estados Unidos. Nesse mesmo ano, funda a primeira clínica de cirurgia de mão no Brasil, na 19ª Enfermaria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro.

No ano seguinte, o brasileiro foi trabalhar com o famoso cirurgião francês Marc Iselin, do serviço de cirurgia da mão da Clinique de la Montagne e  do Hôpital Américain, em Paris, na França.

Após esses trabalhos iniciais no estrangeiro, Pitanguy fez parte de diversas equipes médias em vários países. Entre eles Alemanha, Argentina, Estados Unidos, França, Reino Unido e Suécia.

Em 1954, Pitanguy cria e assume a chefia do serviço de cirurgia plástica da 38ª Enfermaria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro. Em seguida ele fundou o departamento de cirurgia plástica da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Além disso, ele é fundador e diretor da Clínica Ivo Pitanguy.

Em sua atuação como professor, Pitanguy foi responsável pelo treinamento de mais de 500 cirurgiões plásticos do Brasil e dezenas de médicos de outros países, todos formados pelo Curso de Especialização em Cirurgia Plástica, sob sua orientação na Clínica Ivo Pitanguy e na Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro.

O cirurgião também já atuou em dezenas de instituições da área de saúde de diversos países. Fez parte do conselho editorial do Journal of the American Society of Plastic and Reconstructive Surgery e da Head and Neck Magazine.

Atualmente, Pitanguy é membro da Academia Nacional de Medicina e da Academia Brasileira de Letras, além de ocupar cargos em inúmeras outras instituições pelo mundo.

Gräfe

Karl Ferdinand von Gräfe (1787-1840) foi o primeiro a utilizar o termo e a realizar o que é hoje considerada uma cirurgia plástica moderna. Ele foi superintendente dos hospitais militares do Exército Alemão durante as Guerras Napoleônicas (1800-1815) e professor da Universidade de Berlim. É o grande responsável por inúmeras inovações na área. Gräfe fez, por exemplo, várias adaptações ao método italiano criado por Tagliacozzi de cirurgias no nariz (rinoplastia).

O cirurgião alemão foi o primeiro a utilizar o termo “plástica” em seu sentido moderno. A palavra aparece no texto Rhinoplastik, escrito em 1818 por Gräfe.

Interligações

Alterações estéticas podem ser abordadas tanto por profissionais médicos, como por profissionais esteticistas. As delimitações de atuação entre esses profissionais e a diversidade dos tratamentos estão definidas pelos órgãos públicos.

Os médicos especialistas têm competência profissional para realizar procedimentos invasivos, em níveis mais profundos, como cirúrgicos, de acordo com a sua formação e especialização científica.

O profissional esteticista tem a competência para os tratamentos não invasivos, superficiais, fazendo uso de alta tecnologia em cosméticos e aparelhos.

A combinação dessa tecnologia com efeitos térmicos e reparadores, associada a massagens manuais e a cosméticos, proporciona equilíbrio nas alterações estéticas corporais. As cirurgias plásticas apresentam resultados aparentes mais rápidos quando comparados aos tratamentos estéticos.

Fontes de pesquisa

BORGES, Fabio dos. Dermato-Funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções estéticas. São Paulo: Phorte, 2006.

CLAY, James H. Massoterapia clínica: integrando anatomia e tratamento. 2. ed. São Paulo: Manole, 2008.

CURY, Augusto Jorge. A Ditadura da Beleza e a Revolução das Mulheres. Rio de Janeiro. Editora Sextante, 2005

FORDOR, P. B. Endermologie (LPG): does it work? Aesthetic Plastic Surgery, v. 21, p. 68, 1997.

GERSON, Joel et. al. Fundamentos da estética 4: Estética. [Colaboradores editoriais: Catherine M. Frangie, John Halal; tradução]. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

GUIRRO, Elaine e GUIRRO, Rinaldo. Fisioterapia dermato-funcional. 3. ed. São Paulo: Manole, 2004.

KEDE, M. P. V. e SABATOVICH, O. Dermatologia estética. São Paulo: Atheneu, 2009.

Aprofundamento

Estudo feito sobre lipoaspirações feitas no Hospital do Servidor Público em São Paulo

Site do Instituto Ivo Pitanguy

Pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgias Plásticas no país em 2011 por membros da associação.

Texto da Universidade do Porto, em Portugal, sobre a história e a importância da cirurgia plástica

Resolução do Conselho Regional de Medicina sobre cirurgia plástica.

Resolução do Conselho Federal de Medicina sobre lipoaspiração.

Artigo científico sobre o mercado da beleza e suas consequências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *