fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Radiação

O que é

Há vários tipos de radiação, desde a luz, que é a mais comum, até as radiações infravermelha, ultravioleta, de ondas de radiofrequências (rádio, TV e telefonia), os raios-x e a radioatividade. Ela pode ser ionizante ou não ionizante. Essa variação ocorre em função da quantidade de energia. A radiação do primeiro tipo caracteriza-se pelo baixo nível e a do segundo pelos altos níveis de energia.
O nível anual aceitável ao qual um indivíduo pode ficar exposto é de 2 a 3 millisieverts de radiação — Sievert (Sv) é uma unidade que mede os efeitos biológicos da radiação. Esse total, na maioria dos casos, resulta da soma da radiação cósmica e das substâncias radioativas do ambiente onde vivemos.
Ficar exposto a doses muito altas de radiação pode causar falência do sistema imunológico e levar o indivíduo à morte. A radiação também pode produzir alterações químicas capazes de afetar uma célula de várias maneiras, inclusive causando sua morte prematura.
Os efeitos da radiação na saúde do indivíduo dependem também o tempo e o grau de exposição. Quanto maior for a radiação, maiores também são os riscos. Por ser indolor e invisível, ela pode causar alterações genéticas na estrutura celular de maneira imperceptível. Em razão disso, a radiação é extremamente perigosa, principalmente para gestantes e crianças.
Em 2011, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (Iarc, na sigla em inglês), uma instituição ligada à Organização Mundial de Saúde (OMS), classificou a radiação eletromagnética emitida por celulares, internet wifi, bluetooth, estações de rádio, de TV e por micro-ondas como possivelmente cancerígenas.

Aprofundamento

Fiocruz Radiação 

Secretaria da Saúde do Paraná Radiação 

Câmara dos Deputados Radiação 

Organização Mundial da Saúde Radiação 

Organização Mundial da Saúde Estudo sobre radiação 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *