fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Winnicott

O que é

A psicanálise winnicottiana é o conjunto teórico-clínico resultante dos 40 anos de pesquisa e atendimento de cerca de 60.000 pacientes e da releitura da psicanálise tradicional (kleiniana e freudiana) operada pelo pediatra e psicanalista inglês D.W. Winnicott. Esse trabalho intelectual também foi chamado por outros autores de revolução ou mudança de paradigma na psicanálise.
O complexo edípico, anteriormente central para pensar a constituição do psiquismo, passou a ser entendido como um acontecimento tardio de um processo mais amplo e mais complexo, o do amadurecimento, que começa nos momentos iniciais da vida.
Concebendo o homem como um vir a ser, Winnicott enfatizou a importância do ambiente para a construção da identidade mostrando que o bebê precisa do outro para ser alguém e não só para aplacar instintos. Winnicott descreveu detalhadamente nuances de acontecimentos pré-simbólicos e dos desafios inerentes ao início da vida: criar um corpo, habitá-lo, criar um mundo, inserir-se nele, construir um eu corpóreo e psíquico, destacar-se do outro, fazer contato com a realidade, entre outras coisas.
As conquistas primitivas e seus percalços passaram a ser a chave para o entendimento do amadurecimento saudável, de suas distorções (um grande espectro de distúrbios como os psicossomáticos, as psicoses, as psicopatias, o autismo, o falso si-mesmo, o pânico, entre outros, foram compreendidos), e também para o entendimento do que está na base dos conflitos interpessoais mais avançados como aqueles descritos por Klein e Freud. Portanto, o analista winnicottiano proporciona um setting confiável e nesse ambiente propício facilita que o paciente, afrouxando suas defesas, retome e reintegre aspectos do amadurecimento que ficaram impedidos ou dissociados, fazendo uso não só da interpretação, mas de recursos pré-verbais como os da sustentação de uma relação confiável, a empatia, o espelhamento, o manejo clínico etc.

Origem do nome

A psicanálise é o método investigativo de teoria e prática clínica criado por Sigmund Freud que preocupa-se em curar o paciente por meio de uma análise profunda de seu inconsciente. Em grego antigo psique significa vida, alma ou si-mesmo enquanto centro de emoções, desejos e afetos. A psicanálise winnicottiana é a reinterpretação da proposta freudiana pelo pediatra e psicanalista inglês Donald Woods Winnicott.

Histórico

Donald Woods Winnicott nasceu em 7 de abril de 1896 em Plymouth, Devon, no Reino Unido. Com 18 anos ingressou no curso de medicina da Universidade de Cambridge. Em 1917, mesmo dispensado, alistou-se como voluntário na Primeira Guerra Mundial e atuou como cirurgião assistente durante nove meses.

Formou-se em medicina em 1920 e logo iniciou uma especialização em pediatria. Com base nas descobertas conquistadas durante sua análise pessoal iniciada em 1923 e terminada em 1933 com o psicanalista britânico James Strachey, Winnicott verificou a possibilidade de estabelecer uma relação entre a psicanálise e a pediatria.

Candidatou-se em 1927 a uma vaga no Institute of Psychoanalysis em Londres. Em 1934, qualifica-se como psicanalista de adultos e, em 1935, de crianças. Pediatria e psicanálise Em razão de seu interesse nas duas áreas foi indicado, em 1923, a um posto no Hospital Paddington Green Children´s, onde clinicou por 40 anos, para dar prosseguimento ao trabalho iniciado por um médico que estudava a relação entre aspectos emocionais e distúrbios físicos, algo raro na época.

Desenvolveu uma prática diferenciada em pediatria ao tratar os distúrbios não isoladamente, mas da criança no contexto da família, das relações mãe/bebê, nas etapas iniciais da vida e do desenvolvimento emocional do indivíduo. O estudo da psicanálise incrementou fortemente o trabalho de Winnicott como clínico e pediatra. Grupo do Meio A psicanálise inglesa na época dividia-se prioritariamente entre os seguidores de Anna Freud e os de Melanie Klein. Winnicott estudou com as duas analistas de 1935 a 1941, mas nunca pertenceu a nenhum dos grupos. Tratou do filho de Melanie Klein, mas não aceitou a supervisão da psicanalista para esse caso.

Fiel às observações que fazia na clínica, expressou abertamente suas discordâncias, o que provocou calorosas discussões e confronto de ideias em encontros de psicólogos. Prosseguiu com uma pesquisa independente e, em 1944, oficializou a escolha de não se alinhar às escolas.

Os dissidentes foram chamados de “Grupo do Meio” (middle group) e entre eles estavam figuras como Ballint e Fairbain. Trabalho com crianças Durante a Segunda Guerra Mundial, Winnicott foi chamado para atuar como consultor de um programa do governo britânico de assistência às crianças afastadas de suas famílias. Privadas do ambiente familiar e de relações estáveis, elas tendiam a apresentar um quadro de distúrbio de caráter que o psicanalista chamou de tendência antissocial. Esse trabalho reforçou o caminho de pesquisa e tratamento que Winnicott perseguia e que havia sido negligenciado pela psicanálise na época: o da importância do ambiente estável e da continuidade dos cuidados para a formação e estabilização da personalidade e do caráter da criança.

Desenvolvimento emocional primitivo

Fatores como o vasto atendimento clínico (ao todo 60.000 pacientes) em pediatria e psicanálise; a pesquisa das relações entre mães e bebês; as investigações resultantes do trabalho dedicado em psicanálise com pacientes graves, borderline e psicóticos e o trabalho com crianças que sofreram perdas e desenvolveram distúrbios de caráter levaram Winnicott a investigações inéditas que ampliaram o campo da psicanálise em direção aos primórdios da vida em que se estabelecem as bases da personalidade.

Em 1945, no texto O desenvolvimento emocional primitivo, anunciou pela primeira vez as mudanças teóricas que iria desenvolver até sua morte, em 1971. Ali, tanto as contribuições freudianas quanto as kleinianas, adaptadas em linguagem própria, foram consideradas aspectos tardios de um longo percurso de amadurecimento que se inicia já no útero materno e só termina com a morte.

BPaS

Em 1956, torna-se presidente da British Psychoanalytical Society (BPaS). Ocupa o cargo até 1959. Depois, em 1965 assume o posto novamente e fica até 1968. Em 1963 aposenta-se do trabalho no Paddington Green. Prossegue até o final da vida atuando intensamente como psicanalista e com um fértil trabalho de pesquisa, publicando vários textos e apresentando importantes conceitos ainda nessa fase madura. Em 1971, prepara um artigo para apresentar no congresso da IPA em Viena, em julho, mas falece em janeiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *