fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

O que é

Conjunto de técnicas cuja pratica é a base primordial de todas as linhas de budismo. Todas elas têm como meta final a iluminação. Buda, ao longo de sua vida, vivenciou essas técnicas de meditação antes de chegar à iluminação. Zazen é a forma fundamental de meditação da prática zen. É uma espécie de estudo do eu.
Seus praticantes buscam imitar os caminhos percorridos por Buda e acabam estudando a si mesmos. Essa prática se baseia no “pensar em não pensar”, isto é, ela busca esvaziar a mente e libertá-la de distrações.

Origem do nome

Budista se refere à Siddharta Gautama (Sec. 4 AC). Gautama depois de sua iluminação se tornou Buda. O sulfixo “ista” vem do grego e se refere à uma derivação, ou seja, “através de Buda”. Portanto Meditação Budista é meditação através dos preceitos de Buda.

Criação

Seus ensinamentos foram registrados por seus discípulos ao longo dos anos, sendo gradualmente sistematizados pelos mestres que recebiam a linhagem de ensinamentos. Os textos normalmente não versam da técnica em si, Buda nunca escreveu pessoalmente nenhuma parte do Sutta Pitaka, no entanto seus discípulos aprenderam com ele e foram transmitindo seus ensinamentos.

Histórico

A meditação budista surge com o caminho de despertar do principe Siddharta Gautama, por volta do séc 4 a.c. Nascido no norte da Índia, local onde atualmente situa-se a divisa com o Nepal, a lenda conta que ao nascer de Siddharta, foi profetizado por um ansião chamado Ansita que ele seria um grande rei ou um líder espiritual que ajudaria a humanidade libertar-se do sofrimento.

Seu pai, então temeroso de que ele não se tornasse um rei, teria criado Siddharta afastado de tudo o que pudesse despertar qualquer interesse filosófico e espiritual, uma vida sem sofrimento e com muito luxo. Aos 16 anos Siddharta teria se casado com Yasodhara, sua prima, que lhe deu seu único filho chamado Rahula. Aos 29 anos teria fugido do palácio e se deparando com a velhice, doença e morte da realidade do povo, inicia-se ai uma crise existencial. Posteriormente abandona tudo pela sua busca espiritual focada no sofrimento humano.

Depois de encontrar um monge mendicante e reconhecendo neste, apesar das condições de mendigo, um olhar sereno e tranquilo, Siddharta resolveu juntar-se a um grupo de brâmanes dedicados a uma severa vida ascética. A partir deste ponto Siddharta vivencia inúmeras praticas ligadas aos iogues e ascetas, tendo como objetivo atingir a iluminação. Neste caminho tem contato com inúmeras técnicas de meditação, atingindo a iluminação aos 35 anos sentado embaixo de uma arvore em meditação. A partir deste ponto as técnicas ensinadas por então Buda, o iluminado, foram registradas por seus discípulos em textos (Sutta Pitaka) e de forma oral por muitas gerações até os dias de hoje.

Atualidade

Atualmente o Budismo é considerado a quinta maior religião do mundo, a meditação é a base essencial da pratica religiosa budista, estando presente em todas as linhas de budismo. As meditações budistas portanto são uma das formas de meditação mais conhecidas no mundo, com uma grande variedade de técnicas que vão desde a recitação de mantras até praticas ativas de meditação caminhando e meditação no vazio.

A ciência se interessa muito por monges budistas e o processo meditativo, sendo que contemporaneamente existem muitos estudos concluídos e em curso que estudam os efeitos da meditação com estes grandes meditadores, alguns com mais de 50 mil horas de pratica de meditação.

Fundamentos

Buda (sec. 4 a.c.) atingiu a iluminação por meio da meditação. Seus ensinamentos registrados em textos do Sutta Pitaka, versam das técnicas de meditação e do caminho de libertação do sofrimento humano. Pelos ensinamentos de Buda, todo o sofrimento humano resulta das formas de apego e aversão.

A instabilidade da mente cria infinitos padrões de reação a tudo que vivemos, raramente vivenciamos o presente. A meditação acalma a mente e se torna um terreno fértil para o cultivo do estado de equanimidade Manter-se equânime, ou seja, consciente da impermanência de tudo que existe, nos permite a libertação do sofrimento.

Na prática

Existem basicamente cinco métodos de meditação dentro da pratica Budista. Cada um deles focado em um dos 5 venenos mentais: distração, ódio, apego, ilusão e ignorância.  Samatha – meditação de tranquilidade.

1 – anapana – atenção à respiração

2 – mettā bhāvanā – meditação sobre o amor fraterno

Vipassana – ver as coisas como elas são, meditação de insight

3 – anicca – contemplação da impermanência

4 – prática dos seis elementos akasa – espaço viññana – consciência tejo – fogo (temperatura) vāyo – ar (gaseiforme, movimento) āpo – água (fluidez, coesão) patítavi – terra (solidez, peso)

5 – contemplação da condicionalidade (consciência da inter-relação, da causalidade de tudo que existe, tudo tem uma causa e uma consequência, ação e reação)

Assim as práticas de meditação budistas são passos que caminham em direção à iluminação. O treino da atenção (anapana) ajuda a curar o veneno da distração, a meditação mettā ajuda a vencer o veneno do ódio, a contemplação da impermanência (anicca) liberta do apego, a consciência dos 4 elementos materiais + o espaço e a consciência (pratica dos seis elementos) dissolve a ilusão e a contemplação da relação causal entre os elementos de toda existência que existe ajuda a eliminar a ignorância. Assim, a prática da meditação budista engloba diferentes técnicas que tem como objetivo maior atingir a iluminação por meio da dissolução destes venenos mentais e o desenvolvimento das 9 perfeições mentais:

nekkkhamma – renúncia sila – moralidade

viriya – esforço

khanti – tolerância

sacca – adesão à verdade

adhitthãna – firme determinação

pannã – sabedoria

upekkhã – equanimidade

mettã – amor incondicional

dãna – doação, generosidade

As técnicas de meditação budista normalmente são ensinadas em templos, tanto na forma de retiros comem estudos periódicos de iniciação ao budismo. Dentro da pratica de qualquer retiro de meditação Budista de alguma forma são trabalhados os ensinamentos de Buda.

Há uma grande variedade de técnicas que derivam e abordam estes 5 métodos base de meditação budista. Conforme a linha de budismo estas se modificam e ganham ênfase em determinados aspectos. Para contemplar estas características de base as técnicas de meditação budistas podem se estabelecer desde a recitação de mantras, que são palavras sagradas repetidas continuamente (como no Budismo Tibetano e Zen-Budismo), até meditação com foco no caminhar (varias linhas de budismo) ou em alguma atividade ou então no vazio (Zen).

Os mantras no budismo são como orações repetidas continuamente e podem ser recitados em diversas línguas. O Zen-budismo utiliza mantras em japonês, o budismo tibetano em tibetano. Normalmente se pratica a repetição dos mantras utilizando um japamala, espécie de colar com 108, 54, 27, 18 ou 12 contas (normalmente sementes), onde o praticante repete continuamente os mantras passando para a próxima semente a cada repetição contando as series até completar 108 repetições do mantra.

Para o Budismo este número é sagrado e muitos rituais budistas são feitos em séries de repetição deste, um exemplo são as 108 badaladas dos sinos na entrada do novo ano. Na prática do Zen, o praticante senta-se sobre uma pequena almofada redonda (chamada de zafu). Unindo as mãos um pouco abaixo do umbigo com os olhos semi-abertos, olhando para um ponto cerca de um metro a frente, dependendo da escola , os praticantes sentam-se virados para o centro da sala ou virados para a parede.

Na prática do Zazen, que significa literalmente “Sentar Zen”, o praticante segue sua respiração natural, contando dez ciclos de respiração tentando permanecer no presente. Os mais experientes com mais concentração seguem a respiração sem precisar da contagem. A duração do período de meditação varia de acordo com a escola.

Principais nomes

Dalai Lama – Tenzin Gyatso (1935) –líder budista tibetano e também do governo do Tibete, reconhecido por todos os budistas pertencentes à esta linha. O título Dalai Lama significa “Oceano de Sabedoria” e é atribuído sempre que o anterior falece, sendo considerado uma reencarnação do anterior. Hsing Yün (1927) – 48º Patriarca do budismo chinês da Escola Zen. Fundou a Associação Internacional Luz de Buda (Blia, na sigla em inglês) em Taiwan.

Thich Nhat Hanh (1926) – Mestre da tradição zen-budista, é o conhecido fundador da Plum Village, comunidade budista sediada na França. Vive nessa comunidade onde conduz milhares de pessoas de todo o mundo em retiros e trabalhos voltados à arte de viver consciente. Possui mais de 80 livros publicados.

Monja Coen (1947) – famosa monja brasileira zen-budista, fundadora da Comunidade Zen Budista em São Paulo. Sayadaw U.

Silananda (1927-2005) – Mestre da tradição de budismo Theravada. Compilou o extensivo Dicionário Pali-Birmanês e foi um dos editores finais dos Textos, comentários e subcomentários em Pali no Sexto Concílio Budista em 1954. Foi o diretor espiritual do Theravada Buddhist Society of America e de outros quatro centros budistas.

Outras visões

As críticas à meditação budista se dão principalmente à ligação com a religião budista. Dificilmente é possível praticar técnicas desta linha sem estudar e entrar em contatos com elementos da doutrina budista.

Principais obras

Tripitaka Coleção de textos sagrados dividida em 3 outras coleções: Sutta Pitaka Texto clássico da literatura budista no qual está descrita a base da doutrina dessa religião. O conteúdo do Sutta Pitaka é atribuído ao próprio Buda. Vinaya Pitaka Chamado de “cesto da disciplina”, essa obra versa sobre as regras monásticas para monjes e monjas budistas. Abhidhamma Pitaka Comentários aos dois outros Pitakas.

Fontes e inspirações

Muitas práticas de meditação budistas têm raízes muito anteriores ao Buda, que vivenciou muitas delas juntamente com ascetas e iogues, movimentos que podemos considerar parte do hinduísmo. Muitas destas práticas são descritas em textos como os Vedas, de 1.500 a.C.

Interligações

A meditação budista possui em si uma grande variedade de técnicas, portanto apresenta desde praticas ativas, passivas, com objeto e sem objeto.

Aprofundamento

http://www.acessoaoinsight.net – Site com vários textos clássicos traduzidos e na língua original da linha Theravada.

http://www.monjacoen.com.br/textos/textos-tradicionais-em-pdf – Site Zen-Budista ligado à Monja Coen, possui uma seria de textos interessantes sobre budismo.

http://www.sociedadebudistadobrasil.org/sala-de-estudos/textos/ – Site da Sociedade Budista do Brasil, possui uma biblioteca online com diversos textos budistas ligados à varias linhas de budismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *