O que era a filosofia para Boécio?

É comum que se interprete a obra de Boécio unicamente como sustentação divina do sofrimento do homem. No entanto, é importante notarmos que existe também um movimento de retribuição de Boécio à filosofia, como se o consolo divino fosse o próprio fazer filosofia. A consolação apresenta-se, então, em dois sentidos possíveis: aquela oferecida “pela” filosofia e aquela oferecida “à” filosofia. Haveria, assim, um duplo significado atuando ao mesmo tempo, o que confere um aspecto dinâmico à relação entre Deus e o homem, entre o divino e o filósofo. Não se trata de uma contemplação estática da fé, que apenas “recebe” o consolo, mas que expressa consolo sob a forma da ação, da criação e do pensar. Entre o protesto pela infortuna na vida política de sua biografia, como senador de Roma, Boécio procura consolar a filosofia preservando o patrimônio dela, no caso, resgatando, traduzindo e colocando em pauta o pensamento da herança clássica greco-romana.