fbpx
Logo portal NAMU
HOME » Sustentabilidade » Cidades » Gerais

Gerais

Grafite sob encomenda

Artistas se unem para oferecer serviços a empresas e organizações interessadas em ilustrar ambientes
Bruno Torres
27/09/19
O grafite é conhecido como uma das maiores manifestações culturais urbanas do planeta. Em São Paulo, um dos pólos mundiais desse tipo de expressão artística, já foram feitas exposições em museus e bienais de obras produzidas por grafiteiros, os quais são frequentemente requisitados para colorir e ilustrar espaços públicos da cidade. Mesmo em alta, porém, são poucos os que conseguem “viver de grafite”. A maioria desses artistas depende de outros empregos ou atividades para se manter financeiramente.

Foi buscando uma saída para essa situação que o grafiteiro Denys da Silva, conhecido como Evol, criou em 2012, junto com o empresário Ricardo Lima, o site Olho da Rua, que oferece serviços de grafite a indivíduos e empresas interessados em modernizar seus espaços. Mais recentemente, a empresa também tem expandido seu campo de atuação para projetos de grafite digital e a realização de workshops na área.

“Em um certo momento a gente percebeu que daria pra transformar o grafite em um produto, o grafite comercial. A ideia inicial era montar um site para quando as pessoas procurassem alguém para fazer um trabalho comercial, encontrassem a gente”, conta o grafiteiro.

 O grafiteiro Evol posa em frente a uma de seus grafites

Evol posa em frente a grafite realizado especialmente para o programa CQC, da TV Bandeirantes

Quem procura os serviços da empresa encontra no site um “cardápio” com diversos artistas e pode escolher aqueles cujos traços e letras de grafite mais agradam. “O Evol tem um bom relacionamento com vários deles, então a gente consegue fazer essa mediação entre o cliente e o grafiteiro e fica bom para todo mundo. Ainda é um mercado que não tem muito padrão de valores, então muitos artistas tem dificuldades para negociar, não sabem precificar a tinta, por exemplo. Nós ajudamos com isso”, explica Lima.

Grafite digital

Um dos principais diferenciais da empresa é a oferta do grafite digital, técnica criada pela mistura da pintura de grafite tradicional com artes digitais animadas via projetor ou telas de LCD. “É justamente essa ideia de unir tecnologia e grafite e sair um pouco do tradicional. O artista cria a arte, mas a interação e as animações sou eu quem faço”, afirma Ricardo Lima.

Arte para o mercado?

Apesar de se mostrar cada vez mais uma tendência, a ideia de grafite comercial também é alvo de críticas por estar supostamente se distanciando das origens subversivas da arte de rua. “Tem artistas que não aceitam trabalhar dessa maneira, que só fazem trabalhos autorais. Essa é uma questão polêmica ainda, alguns grafiteiros vão contra esse tipo de trabalho pois dizem que perde a espontaneidade”, relata Ricardo Lima.

No grafite comercial, geralmente o cliente apresenta um descrição com um tema específico, o que pode limitar a criatividade do artista. Mas é o preço a se pagar para a profissionalização da atividade e a possibilidade de se viver da arte.

“Até algum tempo atrás isso estava mais presente, mas hoje em dia muitos fazem isso também, é melhor trabalhar com grafite do que em outras atividades. São coisas diferentes, fazer meu grafite ali na rua, por hobby, e fazer o grafite comercial. Quando estou trabalhando, uso minhas técnicas pra reproduzir a imagem do grafite que o cliente está interessado”, explica Evol. Foto: Olho da Rua


Veja também: Paulo Ito e grafite que incomoda Arte de rua é uma forma de resistência Grafite versus a cidade cinza

Recomendados
Poluição

Tipos de poluição: como o excesso de estímulos prejudica a saúde

Os diversos tipos de poluição das grandes cidad...

Gerais

A grande vitrine dos produtos naturais

Feiras apresentam novidades da agroecologia, or...