fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU
HOME » Alimentação » Viva » Gerais

Gerais

Alimentos germinados e a alimentação viva: descubra os benefícios

As enzimas presentes na alimentação viva e nos alimentos germinados (grãos e sementes) são responsáveis pela captação de nutrientes e fortes aliadas no processo digestivo
Da redação
24/08/19

A germinação é um processo no qual as sementes desenvolvem o embrião, ou seja, saem do seu estado de “repouso” para o brotamento da planta. Mas você sabia que a alimentação viva e os alimentos germinados oferecem benefícios ao nosso organismo? Então confira o artigo preparamos especialmente para a sua saúde!

o que são alimentos germinados?

Alimentação viva e germinados: um pouco de história

Pesquisadores acreditam que os chineses, três séculos antes de Cristo, já consumiam os brotos. Mas não só eles. Os essênios, um povo que seguia uma vertente do judaísmo e viveu entre 150 a. c. a 70 d. c., também eram favoráveis a alimentação viva e ingeriam alimentos germinados. Inclusive, eles tinham uma alimentação considerada saudável. 

O famoso pão essênio, feito com os grãos e hoje muito apreciado pelos crudívoros fazia parte do cardápio desse grupo. E diferente dos pães encontrados em padarias e supermercados, o essênio não é assado. Ele é preparado apenas com elementos essenciais como a água e o sol. Ponto para a alimentação viva!

Importância da alimentação viva para o nosso organismo

Podemos dividir as sementes em três categorias: 

  • Oleaginosas: ricas em gorduras
  • Proteicas: ricas em proteínas
  • Amiláceas: ricas em amido

Entre as oleaginosas podemos destacar os grãos de amêndoas, girassol, nozes e linhaça. Nas proteicas, entram soja, lentilhas, ervilhas e feijão. Já entre as amiláceas encontram-se trigo, aveia e quinoa.

De acordo com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, a germinação das sementes aumenta as atividades enzimáticas, as quais auxiliam na maior captação de nutrientes para o corpo e atuam como facilitadoras da digestão dos alimentos.

Isso acontece porque a digestão do ser humano é química, pois utiliza dessas substâncias para concluir o processo. Além disso, ela também é mecânica, uma vez que precisa da deglutição e mastigação. Porém, nenhum dos dois procedimentos é possível sem as enzimas. 

Isso porque os nutrientes ingeridos pela alimentação são transformados em pequenas moléculas, que são absorvidas e levadas para a corrente sanguínea. E é exatamente durante esse período que as enzimas são liberadas para auxiliar no processamento.

“Grãos e leguminosas não foram feitas para o consumo de seres humanos, mas sim de pássaros e animais, já que eles conseguem germinar esses alimentos no papo. Isso significa que para consumi-los e obtermos deles seus benefícios, também precisamos germiná-los”, declara o chef de alimentação viva, Eduardo Corassa.

Ainda segundo Eduardo, “ao germinar grãos e leguminosas, melhoramos seu perfil nutricional e sua digestibilidade. Além disso, também diminuímos sua toxicidade, advinda de inibidores enzimáticos e antinutrientes. No caso das sementes, por exemplo, elas podem ser consumidas cruas e frescas. Assim, germiná-las é uma forma de torná-las mais nutritivas”, conclui.

Benefícios da alimentação viva e dos alimentos germinados

1. Regula o intestino

Por causa da quantidade expressiva de fibras encontradas nos alimentos germinados, a ingestão regular das sementes contribui para a regulação do intestino. Isso significa a redução de problemas como a constipação intestinal, por exemplo.

2. Combate o envelhecimento precoce

 A ação antioxidante dos alimentos germinados presentes na alimentação viva também é outro ponto a favor. Isso porque combate a ação dos radicais livres, responsáveis por doenças degenerativas e envelhecimento precoce das células. 

3. Fortalece o sistema imunológico

“Uma alimentação sem a formação dos PRMS (Produtos da Reação de Maillard, as toxinas formadas pelo cozimento), sem a perda de nutrientes e com as proporções de macro e micronutrientes adequadas, fornecem benefícios a todas as células, tecidos, órgãos e sistemas do organismo”, reforça Corassa. 

“Além disso, os alimentos germinados também contribuem para a regulação do metabolismo e do sistema endócrino. Inclusive, fornecem até mesmo benefícios hematológicos e imunológicos. Ou seja, o consumo regular dos germinados faz você envelhecer mais lentamente, não adoecer, ser mais inteligente e mais forte. Ainda, contribui para você se recuperar mais rapidamente”, reforça Corassa.

saiba mais sobre alimentos germinados

4. Alimentos germinados: ossos e músculos mais fortes

Outro grande benefício obtido pelo consumo de germinados é o fortalecimento de ossos e músculos. E isso se dá graças aos minerais cálcio e ferro, encontrados nesses alimentos. Enquanto o primeiro fortalece os ossos e previne doenças como osteoporose e hipertensão arterial, o segundo combate a anemia, a fadiga, e até mesmo a queda dos cabelos. 

5. Contribui para o bom funcionamento do sistema nervoso

A adoção da alimentação viva e da ingestão regular dos alimentos germinados também contribui para o bom funcionamento do sistema nervoso, regulando, inclusive, o sono e o humor. E isso tudo graças às vitaminas do complexo B encontradas nesses alimentos, que também favorecem o aumento da concentração e da disposição física. 

Alimentos germinados: Como consumir 

Adeptos da alimentação viva utilizam com frequência os germinados em sua culinária. Porém, assim como a alimentação crua, eles devem ser inseridos em cardápios convencionais. 

Confira a seguir, então, como consumir os alimentos germinados para aproveitar ao máximo todos os benefícios que eles têm a oferecer à saúde:

  • Leites vegetais: os germinados são ótimos para o preparo de leites vegetais. Isso porque ao contrário do leite de origem animal, eles são de fácil digestão e não formam mucosas no estômago. 

Além disso, a capacidade de aumentar a produção de serotonina faz do leite de germinados um aliado para o bem-estar. E todos podem ser usados para o preparo, como arroz, amêndoas e castanhas, por exemplo. E embora a durabilidade seja menor, por não conter conservantes, o leite de vegetais tem mais benefícios do que qualquer outro.

  • Rejuvelac: outra opção para a ingestão de sementes germinadas, sem ser em salada, é no rejuvelac, uma bebida probiótica fermentada. Ele pode ser tomado puro, acompanhado de limão, ou servir para incrementar em alguma receita. Entre as vantagens de consumir está o fato de ele conter organismos vivos capazes de regular a flora intestinal. O mais indicado é tomá-lo sem açúcar.

Além das opções apresentadas acima, cabe ainda mencionar que os alimentos germinados podem, ainda, ser usados no dia a dia em saladas e sucos. 

Quer aprender receitas com sementes germinadas? Conheça a série Finger foods e entradas – Culinária viva da plataforma NAMU Cursos. Nela você aprenderá diversos pratos da alimentação viva para receber seus amigos e familiares, além de dicas de negócios e conservação de alimentos.


Quer receber novos conteúdos sobre os assuntos que você mais se interessa?
Inscreva-se e continue atualizado!

AlimentaçãoYogaFitnessPilatesMeditaçãoCuidados PessoaisFilosofiaSaúdeSustentabilidade


Recomendados
Gerais

Crudivorismo: a alimentação viva

Crudivorismo, também conhecido como alimentação...

Gerais

6 saladas feitas com grãos, sementes e brotos para saciar a fome

.

Gerais

Curso de finger foods e entradas – culinária viva

A chef Leila D ensina receitas para incrementar...

Gerais

Aprenda a germinar sementes e grãos para receitas cruas

Germinar sementes e sementes libera maior quant...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *