fbpx
Logo portal NAMU
HOME » Corpo e Mente » Meditação » Gerais

Gerais

Meditação é capaz de modificar genoma

Grupo que se dedicou intensamente à prática apresentou mudanças genéticas e moleculares
Bruno Torres
27/09/19

Nos últimos anos, a prática da meditação tem se tornado objeto constante de pesquisas científicas que procuram, empiricamente, descobrir seus benefícios para saúde. Que a atividade é capaz de acalmar, combater o estresse e até promover o aumento da produtividade cerebral já não é mais novidade.

A recente descoberta é que a meditação é capaz de alterar, inclusive, a expressão genética em um curto período de tempo, foi o que revelou uma experiência feita por um grupo internacional que reuniu pesquisadores Universidade de Lyon, na França, do Instituto de Investigação Biomédica de Barcelona, na Espanha e da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos

Os cientistas avaliaram os efeitos de um dia de meditação intensiva em um grupo de meditadores experientes, comparando-os com o de outro grupo de pessoas inexperientes que realizaram atividades calmas, mas que não envolviam a busca pela consciência plena.

Os resultados indicaram que, após oito horas de meditação profunda, a primeira turma apresentou diferenças genéticas e moleculares, incluindo mudanças nos níveis de regulação genética e menor ativação de genes pró-inflamatórios, como os COX2 e RIPK2, além de vários genes histona deacetilase (HDAC). Esses genes são responsáveis pela regulação epigenética de outros, ou seja, eles são capazes de modificar o genoma sem alterar a sequência de DNA.

Veja também:

Meditação aumenta potencial do cérebro Monja Coen ensina meditação zen-budista


Recomendados
Mindfulness

Dicas para quem está iniciando na meditação

O caminho para quem está iniciando na meditação...

Mindfulness

A anatomia da meditação para o sucesso

Movimentos, concentração, respiração: há uma ve...