fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Para Emagrecimento

O que é

Dietas para emagrecimento são elaboradas com o fim específico de garantir perda de peso em tempo rápido. Elas podem ser restritivas em qualidade e/ou quantidade de alimentos. No entanto, uma dieta para o emagrecimento não precisa ser exclusivamente uma restrição alimentar.
Ela pode ser, quando feita corretamente e sob a supervisão de um nutricionista, um esforço consciente para viver de maneira mais saudável. No geral, uma dieta balanceada produzirá benefícios para o corpo.
As dietas para emagrecimento carregam em si algo de provisório, pois visam exclusivamente regular a alimentação no objetivo de perder peso, melhorar a aparência e a autoestima. Já uma dieta balanceada visa produzir uma alimentação saudável observando, no entanto, certa contenção.
Boa parte das dietas para emagrecimento visa principalmente o sucesso comercial, com vendas de livros e manuais. Muitas delas não têm qualquer respaldo científico.
Portanto, é possível afirmar que os livros sobre dietas para emagrecer têm mais vínculo com o sucesso comercial no mercado editorial do que com práticas reais voltadas para a saúde das pessoas.
Uma dieta para emagrecimento deve obedecer a uma regra simples: colocar o peso do indivíduo dentro do IMC (índice de massa corporal), o qual é atualmente uma das maneiras mais efetivas para medir sobrepeso e fatores de risco relacionados à obesidade. No entanto, para uma medição mais precisa esse índice pode ser somado a outros métodos de avaliação.
De acordo com recomendações da Organização Mundial de Saúde, o IMC é o resultado do peso em quilos do indivíduo dividido pelo quadrado da altura dessa mesma pessoa em metro.

Origem do nome

A palavra dieta vem do antigo conceito grego de “diatetica”, o qual significa “comer para viver com saúde”

Criação

Toda dieta para o emagrecimento é iniciada com uma reconfiguração da quantidade de alimentos que o indivíduo consome. Na maior parte dos casos, as dietas apenas sugerem algum tipo de restrição alimentar.

Em muitos casos, como o das dietas Atkins, Dukan e dos pontos, foram alimentações produzidas por médicos que estavam de alguma maneira lidar com os problemas provocados pela obesidade. Em comum, todos eles perceberam que restrições alimentares levam à perda de peso.

Histórico

Luta

O hábito alimentar é construído ao longo do tempo e é carregado de significados culturais, comportamentais e afetivos. As dietas, por sua vez, representam uma forma de lutar contra nosso desejo por comida, nosso apetite. Eles pretendem controlar essa vontade de se alimentar, a qual é resultado da ação de hormônios e neurotransmissores presentes em nosso corpo. Essa luta está presente na história humana desde tempos remotos.

Antiguidade

A história da dieta tem mais de 2.000 anos. Deu seus primeiros passos na Antiguidade, quando gregos passaram a adotar dietas para manter o corpo saudável. Portanto, é possível afirmar que o ideal de corpo perfeito não é nem um pouco atual.

Textos clássicos de arte, medicina, política e filosofia já trataram desse assunto. Inclusive o poeta Ovídio (43 a.C. – 17 d.C.) em seu texto Os produtos de beleza para o rosto da mulher já dizia que a beleza não residia apenas nos atrativos do corpo, mas também na qualidades da alma.

Luigi Cornaro

O veneziano Luigi Cornaro escreveu um dos primeiros best-sellers sobre dieta da história. Seu livro, Trattato della vita sobria, publicado em 1558, prega a moderação na alimentação como o caminho para ter uma vida longa e saudável.

As ideias de Cornaro fizeram tanto sucesso na época que foram traduzidas para o latim pelo teólogo Leonardo Lessius (1554-1623). Essa era uma forma de tornar um texto aberto para toda intelectualidade de então, já que o latim era o idioma dos tratados e das academias.

Alessandro Petronio (m. 1585)

Autor do livro Del Viver delli Romani et di Conservar la Sanità, publicado em 1581. Nele, o médico italiano escreveu sobre os cuidados com o corpo, principalmente no que diz respeito à alimentação.

Na Itália esse assunto era tão importante que Florença e Veneza foram, até o século 18, centros de estudos voltados para a boa alimentação, os cuidados com o corpo e a preocupação com a beleza.  

Francisco da Fonseca Henriques (1665-1731)

Médico do rei D. João V (1689-1750), formado pela Universidade de Coimbra, o português Francisco da Fonseca foi um dos primeiros intelectuais lusitanos a estudar dietas.

Seu livro Âncora Medicinal para Conservar a Vida em Saúde faz uma seleção dos tipos de alimentação voltados para uma vida mais saudável. É considerado o texto inaugural sobre nutrição na língua portuguesa.

William Wadd (1776-1829)

Um dos primeiros livros a tratar a obesidade como uma questão de saúde foi On Corpulence or Obesity Considered as a Disease, escrito pelo cirurgião britânico William Wadd. Publicada em 1810, a obra buscava ajudar homens e mulheres obesos que sofriam de “sonolência, depressão dos espíritos, e uma inaptidão para o estudo”.

O livro também encorajava essas pessoas a perder peso. Entre as indicações estavam comer vegetais e evitar bebidas alcoólicas.

Mercado editorial

O advento dos meios de comunicação em massa, no século 19, ampliou muito o debate sobre esse tema, o que acabou influenciando milhares de pessoas. Livros e manuais com dietas foram publicados às dezenas.

Com isso, o tema, que até então era acessível apenas às cortes e aos burgueses dos centros urbanos europeus, tornou-se um assunto popular.

Com essa mudança nos meios de comunicação, os livros de dieta para emagrecimento ganharam muito mais um viés de produto do mercado editorial do que algo voltado para a saúde. Em razão disso, é comum ver dietas se repetirem em livros diferentes.

Horace Fletcher (1849-1919)

Criador da primeira dieta dos tempos modernos, Fletcher recebeu o apelido de “O Grande Mastigador” em razão das práticas que defendeu nas primeiras décadas do século 20 nos Estados Unidos.

Esse excêntrico milionário, nutricionista amador, autor e famoso palestrante era adepto de uma técnica segundo a qual a comida só deveria ser ingerida depois de pelo menos 20 mastigações.

Fletcher acreditava que isso evitava comer além da conta, melhorava o sistema dentário e combatia a obesidade. Para ele, as pessoas não deviam se alimentar quando estavam preocupadas ou nervosas.

Anos 60

Na década de 1960, o aumento mundial do sobrepeso e da obesidade levou a população das grandes cidades à busca de dietas principalmente por meio da imprensa popular não científica.

No mesmo período, o culto à magreza começava a se tornar um fator precipitante da anorexia nervosa. Em 1968, os países nórdicos foram os primeiro a adotar metas e diretrizes para a dieta da população. A ideia era traduzir as recomendações científicas para sugestões de dieta simples, saudável e prática. Em 1977, os Estados Unidos adotariam a mesma prática, a qual acabaria se difundindo por vários países.

Vigilantes do Peso

Jean Nidetch era uma dona de casa norte-americana que sofria de obesidade. Nascida em 1923, ela foi uma criança e uma adolescente acima do peso do Brooklin, em Nova York.

Tentou, sem sucesso, vários tipos de dieta para emagrecimento. Em 1961, frustrada após tantas tentativas, ela decidiu reunir semanalmente um grupo de amigas no intuito de produzir um ambiente de ajuda mútua na luta contra a obesidade.

O grupo deu tão certo que logo ganhou notoriedade. Em 1963, ela transformou o grupo Weight Watchers (Vigilantes do Peso) em uma companhia. Atualmente, esses grupos estão presentes em franquias espalhadas por praticamente todo o planeta.

Essa dieta dos Vigilantes do Peso é feita a partir de reuniões que ocorrem todas as semanas. Nesses encontros, as orientadoras ensinam como adotar uma alimentação saudável baseada no programa ProPontos, o qual divide os alimentos em pontos — por exemplo, uma banana vale 0 ponto e uma xícara de café desnatado 2 pontos.

A tabela ProPontos se baseia em coisas como pesquisas científicas, valor nutricional, escolhas saudáveis etc.

As orientadoras também falam sobre hábitos alimentares e quais motivos levam uma pessoa a comer mais do que necessita. Segundo a NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês), a dieta dos Vigilantes do Peso pode levar a mudanças saudáveis nos hábitos alimentares.

Dieta Atkins

A partir da década de 1960, diversas dietas de emagrecimentos foram sendo desenvolvidas:

dieta a da lua, dieta das frutas, dietas da sopa, dieta das proteínas, dietas dos shakes, dietas com restrição a carboidrato, entre tantas outras. São dietas que geralmente restringem o tipo de alimento a ser consumido (tipo e qualidade) e a quantidade diária de ingestão.

Entre todas essas dietas, no entanto, a mais famosa é sem dúvida alguma a Atkins. Criada pelo médico norte-americano Robert Atkins (1930-2003), essa dieta está entre as mais conhecidas em razão do livro 

A Dieta Revolucionária do Dr. Atkins. A obra, que já foi lida por milhões de pessoas em todo mundo, transformou esse médico em uma das personalidades mais badaladas do planeta. Sempre cercada por muita polêmica, a dieta Atkins já foi adotada por celebridades como Julia Roberts, Victoria Beckham, Davina McCall, Minnie Driver, Catherine Zeta-Jones e Al Gore.

Baseada principalmente na noção de que uma alimentação saudável seria o resultado do baixo consumo de carboidratos (pães, massas, batatas, ovo frito). Com menos carboidratos, o indivíduo ficava livre para comer carne vermelha e queijos.

Durante os anos 1980, 90 e 2000, a dieta foi um sucesso. Porém, estudos publicados em jornais especializados como o New England Journal of Medicine, indicam que quando a dieta é mantida por um longo prazo ela pode provocar desde problemas mais banais como mau hálito e dor de cabeça até doenças mais graves como fadiga, perda de massa muscular, doenças cardiovasculares e diabetes, porque podem comprometer as funções do pâncreas, órgão responsável pela produção de insulina.

Depois de muitas críticas, o cirurgião norte-americano lançou A Nova Dieta Revolucionária do Doutor Atkins, que pretendia ser uma versão revisada do primeiro livro. Porém, as críticas continuaram e muitos especialistas afirmam que a dieta pode produzir problemas cardiovasculares no longo prazo.

Atualidade

Em busca do corpo perfeito

Nos anos 1980, ocorreu um crescimento considerável do mercado relacionado ao culto ao aspecto externo do corpo, o que incluía o consumo de suplementos alimentares, a prática de musculação, regimes alimentares mais restritivos e cirurgia plástica. Com o passar dos anos, essa ênfase no ideal da falta de peso, ganhou muita força em razão das intensas propagandas na mídia e de uma infinidade de regimes e de produtos, bem como o crescimento da indústria de dietéticos, do exponencial surgimento de academias e do número de revistas e sites sobre o assunto. Todo esse arsenal diário de informação cria um ambiente voltado para a busca da perda de peso, trazendo consigo uma simbologia da busca interminável pela beleza física.

Dietas e obesidade

Paradoxalmente, o crescimento da oferta de dietas da moda ocorreu junto com a explosão de casos de obesidade, a qual em muitos países já está sendo tratada como epidemia. No Brasil, o  sobrepeso (IMC entre 25 e 30 Kg/m2) acomete 50% da população adulta, enquanto a obesidade (IMC >30 Kg/m2) atinge cerca de 14%, sendo mais prevalente em mulheres, de acordo com a Pesquisa de Orçamento Familiar (POF) 2008-2009 realizada pelo IBGE (IBGE). 

Apesar de a mídia incentivar a magreza, não se pode considerá-la isoladamente como responsável por desequilíbrios que habitam nossa mente e se refletem nos corpos. Entretanto, é evidente que foi atribuído ao peso corporal um significado especial que tem levado as pessoas a uma obsessão pelo emagrecimento. Uma dieta séria, no entanto, deve ter poucas calorias, ser balanceada e feita sob o controle e os cuidados de endocrinologistas e nutricionistas.

Fundamentos

O peso ideal

O sobrepeso e a obesidade são caracterizados pela excessiva adiposidade corporal, que tem impactos adversos para a saúde.

O emagrecimento ocorre quando se ingere menos energia alimentar do que a necessidade corporal, levando o corpo a utilizar a gordura armazenada para continuar funcionando. Atualmente, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) tem peso normal as pessoas com o IMC entre 20 e 24,9. Até 30, o indivíduo está com sobrepeso. Já qualquer pessoa com IMC acima de 30 é considerada obesa.

Um levantamento publicado em 2009 no período The Lancet apontou que indivíduos com IMC entre 30 e 35 sofrem uma diminuição de 2 a 4 anos na expectativa de vida em função do excesso de peso.

O trabalho foi feito pesquisadores da Universidade de Oxford no Reino Unido sob o comando do epidemiologista Gary Whitlock.

Gordura

Se uma pessoa se exercitar de modo apropriado, restringir moderadamente as calorias ingeridas e consumir uma dieta equilibrada que satisfaça as necessidades de proteínas e carboidratos, o corpo será forçado a utilizar a sua reserva de energia de gordura armazenada, gerando uma perda gradual de peso, preferível a uma perda rápida, porque a massa magra (músculos) será poupada em detrimento da gordura.

Dieta saudável e balanceada

Mesmo as dietas para perda ou manutenção do peso corporal, que exigem redução calórica, devem atender ao padrão alimentar e nutricional considerado adequado. Além disso, deve ser uma oportunidade de aprender e exercitar a reeducação alimentar, atendendo aos quesitos da adequação em quantidade e qualidade, prazer e saciedade.

Todos os grupos de alimentos devem compor a dieta diária. A alimentação saudável deve fornecer água, carboidratos, proteínas, lipídios, vitaminas, fibras e minerais, insubstituíveis e indispensáveis ao bom funcionamento do organismo.

A diversidade dietética que fundamenta o conceito de alimentação saudável pressupõe que nenhum produto específico — ou grupo deles isoladamente —, é suficiente para fornecer todos os nutrientes necessários a uma boa nutrição e consequente manutenção da saúde.

Também é fundamental substituir os alimentos não saudáveis e ultraprocessados, como refrigerantes e salgadinhos, por produtos in natura.

Atividade física

Atividades físicas podem auxiliar a regulação do apetite, ajudar as pessoas com sobrepeso a perder gordura, e pessoas com falta de peso a ganhar músculos. Quanto maior o tempo sentado na frente da TV, maior será o número de quilos acumulados.

Modificações no comportamento alimentar

A formação dos hábitos alimentares se processa de modo gradual, principalmente durante a primeira infância; é necessário que as mudanças de hábitos inadequados sejam alcançadas no tempo adequado, sob orientação correta.

Não se deve esquecer que, nesse processo, também estão envolvidos valores culturais, sociais, afetivos, emocionais e comportamentais, que precisam ser cuidadosamente integrados às propostas de mudanças.

Na prática

As dietas da moda, de um modo geral, sugerem a restrição de determinados alimentos ou nutrientes, a substituição de refeições por shakes e pílulas, o jejum e/ou o consumo de alimentos e suplementos com superpoderes emagrecedores.

Todas elas vão levar os indivíduos a adotar algum tipo de diminuição no consumo de alimentos. O importante é saber que essas restrições não poderão tornar a alimentação desequilibrada. O ideal é diminuir o consumo de alguns produtos desde que isso não prejudique a qualidade da alimentação do indivíduo.

Como não há uma dieta que sirva para todas as pessoas, essa multiplicidade de tipos de alimentação acaba ganhando espaço na mídia principalmente quando determinada celebridade que adota e passa a defender publicamente certa prática alimentar. 

Outras visões

BALANCEAMENTO DOS MICRONUTRIENTES

As dietas restritivas podem comprometer o estado nutricional e consequentemente a saúde.

Seguir dietas publicadas em revistas de grande circulação pode ser um risco para a saúde. Esse é o principal resultado de um estudo feito com publicações não científicas pelas pesquisadoras da UNIFESP Olga Maria Amancio e Daniela Chaud. Elas analisaram 112 dietas, todas publicadas em 2002 por revistas populares durante oito meses seguidos concluindo que todas as dietas se mostraram inadequadas em relação a uma ou mais das substâncias avaliadas. Menos de 25% das dietas apresentaram distribuição adequada de macronutrientes. Houve um predomínio nos níveis inadequados de cálcio (85,7%), ferro (97,3%) e vitamina E (91,9%).

Das 112 dietas analisadas, 95 recomendavam a ingestão de quantidades baixas de cálcio. Em uma delas, a quantidade indicada estava acima do limite máximo recomendado pelos nutricionistas.

Segundo as autoras do estudo, concentrações altas ou baixas de minerais e vitaminas são situações indesejáveis, trazendo desequilíbrio orgânico. Além disso, podem causar interações negativas com outras vitaminas e outros minerais.

Outro ponto considerado negativo pelas pesquisadoras da Unifesp está relacionado com as instruções publicadas em conjunto com as dietas. A duração de sete dias, por exemplo, que é normalmente a que mais predomina nos periódicos é insuficiente para uma perda de peso gradual e saudável. É, portanto, uma dieta que não se sustenta.

Entre toda a amostra, apenas uma única dieta estava realmente balanceada dentro dos padrões nutricionais e bioquímicos. As 1.387 calorias estavam distribuídas em 57,83% de carboidratos, 15,51% de proteínas e 26,66% de lipídios. 

Ramificações

Em razão de ser um fenômeno editorial, os livros e tipos de dieta para emagrecimento surgem praticamente toda semana. Indicaremos aqui apenas as mais famosas:

Dieta dos Pontos

Formulada pelo endocrinologista Alfredo Halpern, chefe do serviço de obesidade do Hospital das Clínicas de São Paulo, essa dieta adota um sistema de restrição alimentar baseado em um sistema de pontos. Para perder peso, basta comer os alimentos que estão dentro da quantidade necessária indicada pelo método criado por Halpern.

Autor de inúmeros best-sellers, Halpern também é o responsável pela disciplina Obesidade na pós-graduação da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e o fundador da Associação Brasileira para Estudos da Obesidade. Ligado ao grupo da Organização Mundial de Saúde que combate a obesidade no planeta, Halpern defende uma restrição alimentar baseada na quantidade consumida de calorias.

Segundo ele, é tudo uma questão de matemática, pois “só se emagrece consumindo menos calorias do que se gasta”. A dieta dos pontos procura fazer exatamente isso, criar um padrão de alimentação no qual o indivíduo vai ingerir menos calorias, isto é, consumir apenas a quantidade necessária para continuar funcionando normalmente. O método criado por Halpern basicamente defende, portanto, uma alimentação sem excessos.

Dieta Atkins

Criada pelo médico Robert Atkins, essa dieta restringe o consumo de qualquer tipo de carboidrato e libera o consumo de proteínas. Porém, como as pessoas que recorriam a esse tipo de alimentação podiam comer bacon e outros tipos de carnes gordas, a dieta acabou sendo criticada por médicos em razão do risco de problemas cardiovasculares.

Portanto, apesar de ajudar a perder peso rapidamente, essa dieta é muito criticada pelos riscos de doenças cardíacas em função da alta ingestão de gorduras saturadas.

Método Dukan

Criada pelo nutricionista francês Pierre Dukan, essa dieta é o motivo do sucesso do livro O Método Dukan Ilustrado, que já vendeu mais de 30 milhões de cópias em todo mundo. Esse tipo de alimentação é uma releitura da dieta Atkins, pois também se baseia, nos primeiros dias, no consumo de proteínas e na restrição aos carboidratos.

De forma geral, a dieta Dukan ajuda a perder peso, mas é nutricionalmente desbalanceada segundo a NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês). A falta de produtos integrais, frutas e verduras nas primeiras semanas pode causar prisão de ventre, mau hálito, cansaço, tontura, insônia e náuseas.

Dieta sem glúten

Indicada principalmente para as pessoas que sofrem de doença celíaca — que significa sofrer de intolerância permanente a todos os alimentos que contêm glúten —, essa dieta é capaz perder peso, mas é arriscada quando é feita sem orientação médica.

Como o glúten é uma proteína presente em alimentos como cevada, farinha de trigo e centeio. É possível adotar uma alimentação sem glúten, mas para isso é necessário montar sua dieta com a ajuda de um nutricionista.

Um dieta sem glúten ajuda a facilitar a digestão e emagrece não em razão da falta de glúten, mas em razão dos carboidratos presentes em alimentos como pães, biscoitos e massas.

Vigilantes do Peso

Essa dieta é feita a partir de reuniões que ocorrem todas as semanas. Nesses encontros, as orientadoras ligadas ao grupo Vigilantes do Peso ensinam como adotar uma alimentação saudável baseada no programa ProPontos — o qual divide os alimentos em pontos, por exemplo, uma banana vale 0 ponto e uma xícara de café desnatado 2 pontos.

A tabela ProPontos se baseia em coisas como pesquisas científicas, valor nutricional, escolhas saudáveis etc. As orientadoras também falam sobre hábitos alimentares e quais motivos levam uma pessoa a comer mais do que necessita.  Segundo a NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês), a dieta dos Vigilantes do Peso pode levar a mudanças saudáveis nos hábitos alimentares.

Principais obras

A tirania das dietas – Dois mil anos de luta contra o peso

Escrito por Louise Foxcroft, o livro fala da fixação que a sociedade atual tem, ao mesmo tempo, pelo corpo perfeito e por alimentos como doces, frituras e refrigerantes. Isso, segundo ela, levou milhares de pessoas, nas últimas décadas, a seguir algum tipo de dieta.

A dieta revolucionária do dr. Atkins

Primeiro livro lançado pelo cardiologista norte-americano Robert Atkins. Baseava-se na noção de que era possível emagrecer comendo gorduras e proteínas, por exemplo, carnes vermelhas, ovos e manteiga a vontade e restrição para carboidratos como frutas, pães, farinha, macarrão, açúcares e doces.

Foi duramente criticado por nutricionistas e médicos ligados à área de alimentação. Apesar dos inúmeros ataques, o livro foi um enorme sucesso editorial e vendeu milhares de cópias.

A nova dieta revolucionária do Dr. Atkins

Versão revista do primeiro livre de Robert Atkins, essa obra seguiu conquistando milhões de seguidores ao redor do planeta e gerando muita polêmica. Apesar de pretender fazer uma revisão do primeiro livro, A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins segue cercada de críticas.

Em um primeiro momento, essa restrição alimentar é capaz de diminuir o peso de quem a adota, porém, como é feita apenas com o consumo de gorduras e proteínas se mostra algo muito difícil de ser seguido por um tempo indeterminado.

Em razão disso, muitos de seus adeptos acabam sofrendo do famoso efeito sanfona, isto é, a pessoa volta a engordar sempre que abandona a dieta.

Eu não consigo emagrecer

Outra obra muito contestada por especialistas. Nessa dieta apresentada pelo nutricionista francês Pierre Dukan em seu livro Eu Não Consigo Emagrecer, traduzido em mais de 10 idiomas em dezenas de países, o indivíduo deve adotar uma restrição alimentar de quatro fases.

A primeira só de ingestão de alimentos proteicos; a segunda com a introdução de legumes; terceira, a fase de consolidação, na qual são reintroduzidos alimentos como pão, massas e frutas; e a quarta, que pretende estabilizar do peso corporal dentro do IMC considerado ideal.

No entanto, segundo nutricionistas, uma dieta para o emagrecimento feita à base do consumo de proteínas pode produzir problemas renais, osteoporose e doenças cardiovasculares

Fontes e inspirações

Beleza

busca pela beleza é sem dúvida um dos fatores mais importantes para o sucesso das dietas para o emagrecimento nos dias atuais. Tudo isso em razão de uma noção de beleza que está vinculada à ideia de corpo magro. Em 2007, o estudo “Avaliação da imagem corporal, hábitos de vida e alimentares em crianças e adolescentes de escolas públicas e particulares de Belo Horizonte”, feito pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), revelou que crianças e adolescentes de 20 escolas de Belo Horizonte se mostravam muito preocupados com sua aparência. Mesmo com 80% dos mais de mil entrevistados apresentarem um peso considerado normal, cerca de 60% se diziam insatisfeitos com seus próprios corpos. O trabalho, feito pela médica Ana Elisa Ribeiro Fernandes, aponta o poder que os padrões de beleza determinados pela mídia e a sociedade podem exercer nas pessoas, principalmente as mais jovens. Muitos casos de transtornos alimentares são desencadeados por preocupações excessivas com a aparência.

Autoestima

O medo de não ser aceito socialmente aliado à enorme quantidade de propaganda em torno do corpo perfeito são alguns dos fatores que afetam a autoestima na sociedade contemporânea.

É em busca de melhorar esse quadro que muitas pessoas apelam para dietas de emagrecimento. Essa tentativa absurda de homogeneização da beleza destrói a individualidade a agride a autoestima. A cobrança pelo corpo perfeito não alimenta apenas o mercado editorial e sua enorme quantidade de produtos ligados ao emagrecimento, ela destrói, em muitas pessoas, a autoestima, a qual, por sua vez, quando em baixa, é um dos principais componentes para uma alimentação desbalanceada e para o excesso de peso.

Combate à obesidade

Atualmente existem mais de 500 milhões de obesos no planeta. O conhecimento da obesidade como uma doença é recente. Esse tipo de problema ocorre quando um indivíduo esta 20% acima de seu peso ideal, o Índice de Massa Corporal (IMC). Para calculá-lo basta o indivíduo dividir seu peso atual pela altura, depois dividi-lo pela altura novamente.

Esse resultado não deve ser maior que 30, acima disso é o indivíduo é considerado obeso. Quando a pessoa tem um IMC superior a 40, o caso então se torna de obesidade mórbida.

Para piorar, há muito preconceito em torno das pessoas obesas na sociedade atual. Nesse caso, as dietas para emagrecimento surgem como uma saída.

Paradoxalmente, no entanto, o crescimento de obesidade que vem assolando o mundo ganhou força de 1980, mesmo com o inegável sucesso dos livros com dietas para o emagrecimento no mesmo período. 

Além do estilo inadequado de vida, a obesidade pode ser causada por inúmeros fatores, entre eles, a má qualidade de sono, sedentarismo, aumento do consumo de substâncias químicas no organismo, poluição, estresse — que aumenta o cortisol e o canabinóides, os quais ajudam engordar — e até mesmo o uso de ar condicionado.

Portanto, a obesidade é uma doença não transmissível, caracterizada pelo excesso de tecido adiposo no organismo, que pode ser fruto de uma alimentação não balanceada somada às contribuições genéticas, metabólicas, comportamentais e psicológicas de cada indivíduo. Nos homens, a obesidade pode estar ligada a problemas de saúde como câncer de cólon, reto e próstata. Já nas mulheres, esse problema se associa com câncer de mama, endométrio e de vesícula.

Para combater a obesidade é necessário estar com o IMC dentro ou próximo do ideal. Uma pessoa com IMC acima de 25 deve perder peso. Quando isso ocorre, o indivíduo reduz seus índices de glicemia, pressão arterial e colesterol, isso ajuda, por sua vez, a diminuir fatores de riscos advindos da obesidade.

Nesse sentido, as dietas para emagrecimento surgem como uma espécie de saída milagrosa para tais problemas. No entanto, na maior parte dos casos, uma dieta balanceada e sem excesso é a melhor solução para ter um corpo saudável.

Dietas da moda

Os dias atuais muitas dietas para emagrecimento ganham vida em razão do noticiário em torno de celebridades. Basta que uma cantora ou uma atriz famosa fale de uma determinada dieta para a mesma se tornar alvo do interesse de milhares de pessoas.  

Dieta da lua, dieta da papinha, dieta do jejum, dieta do vinagre, dieta da Bíblia, dieta das cores e tantas outras vão e vem ao sabor do mercado editorial e da enorme exposição da vida das celebridades na mídia atual. Muita vez, as celebridades praticam métodos arriscados de restrição alimentar, que não podem e não devem ser adotados de maneira indiscriminada por cidadãos comuns.

Uma dieta para emagrecimento deve necessariamente ser feita sob os cuidados de um nutricionista e acompanhada por um médico de confiança. Portanto, seguir a dieta da moda, sem consultar um especialista, é assumir um risco para a saúde.

Nesse sentido, a mídia não especializada acaba se tornando uma fonte de desinformação que leva milhares de pessoas a adotarem um determinado tipo de restrição alimentar sem saber exatamente quais serão as consequências dessa decisão. 

Fontes de pesquisa

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: Promovendo a alimentação saudável, 2008. 210p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf. Acesso em: 12 dez. 2012.

SOUTO, Silvana; FERRO-BUCHER, Júlia Sursis Nobre. Práticas indiscriminadas de dietas de emagrecimento e o desenvolvimento de transtornos alimentares. Rev. Nutr., Campinas. V. 19. P. 693-704. 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.  POF 2008-2009: desnutrição cai e peso das crianças brasileiras ultrapassa padrão internacional. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1699&id_pagina=1. Acesso em: 14 dez. 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.  Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000108.pdf. Acesso em: 14 dez. 2012.

CAMPANARO, Thais. Dietas milagrosas. Nutrir. Revista do Conselho Regional de Nutricionistas CRN-3ª Região. 2009. Disponível em: http://www.crn3.org.br/atualidades/revistas/arquivos/nutrir_01_07_2.pdf. Acesso em: 16 dez. 2012.

SIZER, Frances; WHITNEY, Eleonor. Nutrição, conceitos e controvérsias. 8.ed. Barueri, SP: Manole, 2003. 567p.

SILVA, Sanddra Maria Chemin S.; MURA, Joana D´Arc Pereira.  Tratado de Alimentação, Nutrição e Dietoterapia. São Paulo: Roca, 2007. 1122 p.

PHILIPPI, S.T; ALVARENGA, M. Transtornos Alimentares: uma revisão nutricional. Barueri: Editora Manole. 2004. 226 p.

AMANCIO, Olga Maria Silverio; CHAUD, Daniela Maria Alves. Dietas para perda de peso anunciadas na imprensa leiga. Cad. Saúde Pública. V. 20(5). P. 1219-1222. 2004.

FETT, Carlos Alexandre; REZENDE, Waléria Christiane. A termogênese como recurso de intervenção eficiente para o combate e controle da obesidade. R. Min. Educ. Fís. v. 9, n. 1. p. 83 – 106, 2001.

Terceira camada:

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: Promovendo a alimentação saudável, 2008. 210p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira.pdf. Acesso em: 12 dez. 2012.

SOUTO, Silvana; FERRO-BUCHER, Júlia Sursis Nobre. Práticas indiscriminadas de dietas de emagrecimento e o desenvolvimento de transtornos alimentares. Rev. Nutr., Campinas. V. 19. P. 693-704. 2006.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.  POF 2008-2009: desnutrição cai e peso das crianças brasileiras ultrapassa padrão internacional. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=1699&id_pagina=1. Acesso em: 14 dez. 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.  Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000108.pdf. Acesso em: 14 dez. 2012.

CAMPANARO, Thais. Dietas milagrosas. Nutrir. Revista do Conselho Regional de Nutricionistas CRN-3ª Região. 2009. Disponível em: http://www.crn3.org.br/atualidades/revistas/arquivos/nutrir_01_07_2.pdf. Acesso em: 16 dez. 2012.

SIZER, Frances; WHITNEY, Eleonor. Nutrição, conceitos e controvérsias. 8.ed. Barueri, SP: Manole, 2003. 567p.

SILVA, Sanddra Maria Chemin S.; MURA, Joana D´Arc Pereira.  Tratado de Alimentação, Nutrição e Dietoterapia. São Paulo: Roca, 2007. 1122 p.

PHILIPPI, S.T; ALVARENGA, M. Transtornos Alimentares: uma revisão nutricional. Barueri: Editora Manole. 2004. 226 p.

AMANCIO, Olga Maria Silverio; CHAUD, Daniela Maria Alves. Dietas para perda de peso anunciadas na imprensa leiga. Cad. Saúde Pública. V. 20(5). P. 1219-1222. 2004.

FETT, Carlos Alexandre; REZENDE, Waléria Christiane. A termogênese como recurso de intervenção eficiente para o combate e controle da obesidade. R. Min. Educ. Fís. v. 9, n. 1. p. 83 – 106, 2001. http://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(12)60416-4/fulltext

Aprofundamento

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/pof/2002/imc_calculo.php

Site do IBGE que calcula o IMC (índice de massa corporal)

http://www.usc.br/biblioteca/salusvita/salusvita_v26_n2_2007_art_13.pdf

Trabalho acadêmico sobre a dieta Atkins

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/obesidade_desnutricao.pdf

Texto do Ministério da Saúde sobre obesidade e desnutrição

http://www.nhs.uk/Tools/Documents/WEIGHT-LOSS-PACK/all-weeks.pdf

Guia de 12 semanas para emagrecimento feito pela britânica NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês)

http://www.nhs.uk/Livewell/loseweight/Pages/top-10-most-popular-diets-review.aspx

Página da NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês) analisando 10 tipos de dietas

http://food.gov.uk/

Site da agência do governo britânico para assuntos ligados à alimentação

http://www.gutenberg.org/cache/epub/30660/pg30660.html

Livro sobre dietas escrito no século 16 por Luigi Cornaro

www.emagrecendo.com.br

Site do médico endocrinologista Alfredo Halpern, criador da dieta dos pontos

http://medicina.ufmg.br/cpg2/programas/saude_crianca/teses_dissert/2007_mestrado_ana_fernandes.pdf

Estudo sobre a imagem corporal feito pela doutora Ana Elisa Ribeiro Fernandes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *