fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU

Pré-socráticos

O que é

Pré-Socráticos são pensadores gregos que viveram imediatamente antes da época de Sócrates, entre eles estão: Heráclito, Parmênides, Zenão, Tales de Mileto, Demócrito e Pitágoras. Seus trabalhos, que em boa parte chegaram até os nossos dias sob o formato de fragmentos ou citações, buscavam basicamente explicar o princípio material do mundo ao seu redor. Esses pensadores queriam compreender e explicar o funcionamento da natureza sem recorrer à mitologia ou à tradição.
Essa mudança de paradigma foi fruto de um amplo processo de mudança na compreensão humana do mundo. É possível afirmar que entre os primeiros textos que apresentam esse novo tipo de entendimento estão a Ilíada e a Odisseia, poemas épicos escritos por Homero em um período que, segundo historiadores, vai desde o final do século 8 a.C. até o início do século 7 a.C.. Ambos os textos, apesar da constante presença de forças superiores, personificadas nos deuses, já apontam para um novo entendimento da realidade. A Odisséia, por exemplo, descreve o mundo como um grande disco circular, cercado por um gigantesco rio, o qual é chamado por Homero de Okeanos.
Depois de Homero — e também Hesíodo —, essa busca pela compreensão racional do mundo ganha força. Em razão disso, é possível dizer que os pré-socráticos estão inseridos em um momento da história humana marcado profundamente pela mudança da mentalidade mito-poética, baseada nos mitos e na tradição, para a mentalidade teorizante e racional. Eles representam o instante em que parte de certo pensamento, que produziu ciência de forma empírica, porém assistemática – tanto no Oriente quanto no Ocidente –, é incorporado por uma nova maneira de construir conhecimento.
A mudança fruto dessa somatória é resultado de uma longa história de expansão de técnicas e racionalização de práticas e culturas. Tal processo desemboca nas cidades-Estados e na filosofia pré-socrática, a qual substitui a visão mítica da realidade pela busca do pensamento racional baseado na experiência humana cotidiana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *