fbpx
Procurar no site Namu
Logo portal NAMU
HOME » Corpo e Mente » Meditação » Cristã

Cristã

Meditação cristã no mosteiro de São Bento

Alexandre de Andrade explica como é a prática da meditação cristã, feita pela repetição de uma palavra da Bíblia
Da redação
11/08/19

A meditação cristã é uma solução para quem gostaria de praticar meditação e experimentar seus benefícios, mas não pode por um impeditivo religioso: por serem cristãs, não se sentem confortáveis aderindo práticas que possuem conceitos de religiões orientais.

Se este é o seu caso, temos uma boa notícia! Você pode praticar meditação sem abandonar os preceitos cristãos no mosteiro São Bento e até mesmo em casa. Conheça mais sobre a prática em nossa matéria especial. 

O que é meditação cristã

A meditação cristã é alinhada com os preceitos do cristianismo. Onde se tem por prática repetir uma palavra ou uma oração específica a fim de conectar-se com a experiência divina.

Este tipo de meditação foi incorporado por correntes da Igreja Católica. Depois levada para mosteiros a partir do costume oriundo de tradições orientais. 

“Meditação é essa oração, esse relacionamento com deus. Às vezes, basta o silêncio, a presença", diz Dom Alexandre de Andrade. Quem conduz a prática no mosteiro de São Bento (1), em São Paulo, aberta ao público. 

O monge palestrou sobre meditação cristã no 4º Simpósio de Medicinas Tradicionais e Práticas Contemplativas realizado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em parceria com a Associação Palas Athena, onde o religioso também coordena um grupo da técnica (2).   

meditação cristã

John Main e a meditação cristã 

Dom Alexandre explicou que a renovação da prática contemplativa no catolicismo se deu quando o inglês Jonh Main (1926-1982) (3) foi à Malásia, por volta da metade do século 20. 

Em contato com a cultura local, Main conheceu um swami (mestre monástico hindu), que o apresentou a uma técnica muito simples. 

O monge beneditino contou que Jonh Main queria aprender mantras. Sabendo que o inglês era católico, o mestre lhe sugeriu usar palavras do texto sagrado cristão, a Bíblia, em vez de repetir frases em sânscrito. 

Entretanto, havia uma condição: o trecho escolhido não poderia remeter a muitas imagens, para auxiliar na concentração.

A palavra eleita por Main para conduzir a meditação foi "maranatha", que significa “vem senhor” e que está, por exemplo, no final do livro do Apocalipse

“A palavra vem do aramaico e permaneceu sem ser traduzida”, diz. “Como não faz parte de nossa cultura, é oportuna, porque não sugere imagens. 

Quando repetimos essa palavra no processo de 20 minutos de meditação, por exemplo, filtramos todo tipo de ansiedade e fantasias. A meditação pertence ao patrimônio da sabedoria humana universal”, conclui.

A meditação cristã na história

A iniciativa de John Main é considerada um reencontro, pois há registros mais antigos de meditação cristã. “Passagens da Bíblia indicam que Jesus já ensinava práticas contemplativas”, ressalta Dom Alexandre. 

Por exemplo, um trecho do Evangelho segundo Mateus, no qual Jesus ensina a seus discípulos que não é preciso falar muitas palavras ao rezar, apenas ficar em silêncio no quarto e entrar em contato com a presença de Deus.

Na história secular, a meditação cristã data da época dos primeiros monges, conhecidos como “Padres e Madres do Deserto” (séculos 2 e 3 d.C.), e procura colocar o praticante em contato com o próprio espírito.

Portanto, para a tradição cristã, a meditação seria como um “orar sem cessar”. Faz parte da prática o estudo dos ideais cristãos e dos textos sagrados, sendo assim totalmente vinculada ao caminho dos ensinamentos de Cristo.

Depois disso, os preceitos da meditação cristã foram resgatados na primeira metade do século 20 pelo monge trapista francês Thomas Merton em suas viagens à Ásia. 

Desde então, o formato atual da meditação cristã foi dado pelo monge beneditino britânico John Main, e prosseguido por seu discípulo, o também britânico Laurence Freeman.

Tayná Bonifácio, coordenadora de São Paulo da Comunidade Mundial para a Meditação Cristã, explica mais sobre a prática no vídeo abaixo:

Fundamentos da meditação cristã

Não é possível praticar essa atividade sem acreditar no caminho espiritual ensinado por Jesus Cristo. Dito isso, os principais fundamentos da meditação são:

  • Comprometimento com os ideais cristãos e com a Bíblia.
  • Crença nos dogmas e ensinamentos cristãos.
  • Crença na figura do Deus único, onipotente, onipresente e onisciente.

A meditação cristã pretende desenvolver a capacidade de contemplação e dar atenção ao momento presente, às palavras sagradas e ao criador, encarnando assim a plenitude da vida que, conforme prega a religião cristã, teria sido dada por Deus.

O alvo da meditação cristã é ocupar e preencher o pensamento em Deus. Desse modo, de acordo com os ideais da meditação cristã, meditar não é esvaziar a mente, e sim preenchê-la com Deus.

Por tudo isso, para o cristão, a palavra é sagrada. Repetir a palavra de Deus é uma forma de se aproximar do criador e de orar.

Nesse sentido, a repetição é uma maneira de focar a mente em Deus e nos ensinamentos cristãos.

Como praticar meditação cristã

Agora que você compreende os fundamentos da meditação cristã, que tal testar em sua casa? Confira como praticar:

1. Repetição: É baseada na repetição de uma palavra. Normalmente se utiliza maranatha, advinda do aramaico, língua original de Jesus, que pode ser traduzida como “Vinde a mim, Senhor!”.

2. Verbalização: As palavras são repetidas continuamente, buscando um estado de calma interior, sem pensamentos ou imagens. As sílabas são repetidas com igual duração: ma-ra-na-tha.

3. Postura/Duração/Regularidade: De olhos fechados e com a coluna ereta, o praticante repete internamente e continuamente durante 20 a 30 minutos diariamente, pela manhã e ao final da tarde. 

O objetivo é atingir um estado de comunhão com Deus. A postura pode variar de sentado em uma cadeira com encosto reto, ajoelhado em um banco de oração, sentado no chão ou em uma almofada firme.

4. Mantra: Para a tradição cristã, a meditação seria como um “orar sem cessar”. Tal repetição é chamada de disciplina do mantra. 

Ao se atingir esse estado, se fala em abandonar os pensamentos para vivenciar a realidade tal como ela.

Onde mais praticar?

É possível participar da prática de meditação cristã no mosteiro de São Bento (São Paulo, capital) todas as quintas-feiras, das 20hs às 20h30 na capela do Colégio de São Bento no 3º andar.

Além disso, após a prática da meditação cristã ocorre uma aula facultativa sobre as suas raízes, das 20h30 às 21h30.

Às terças-feiras, Dom Alexandre conduz a prática de meditação cristã na Associação Palas Athena (2) às 19h30. A atividade é gratuita e aberta ao público.

Curso de meditação em casa

Por tudo isso, a meditação cristã é perfeita para quem deseja conhecer os benefícios da meditação sem sentir que está indo contra os preceitos cristãos. 

Entretanto, se você não é cristã(o) ou não tem problemas em conhecer e praticar outras vertentes de meditação, não deixe de conhecer nosso curso online de mindfulness: meditação em movimento. Você pode adquirir e começar a praticar agora mesmo!


Recomendados
Gerais

Saulo Fong: benefícios da meditação

Uma explicação clara dos benefícios da meditaçã...

Cristã

Meditação cristã: como surgiu e como praticar

Meditar sobre a vida de Jesus é um fio que liga...

Gerais

Músicas para meditar: Os benefícios da música na meditação

Os sons podem agitar ou relaxar o organismo, tu...

Meditação

Como o mindful eating pode te ajudar a identificar os tipos de fome

Entenda como as práticas do mindful eating pode...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *