Ramificações

As ramificações da osteopatia, desenvolvidas por diferentes escolas, foram catalogadas pela OMS em cinco modelos principais de relação estrutura-função que orientam as abordagens do profissional para o diagnóstico e tratamento osteopáticos e norteiam suas pesquisas.

Modelo estrutura-função biomecânica

O modelo biomecânico visualiza o corpo como uma integração de componentes somáticos que se relacionam como um mecanismo para a postura e equilíbrio. As tensões ou desequilíbrios dentro deste mecanismo podem afetar a função dinâmica, aumentar o dispêndio de energia, alterar a propriocepção (cinestesia), alterar a estrutura articular, impedir a função neurovascular e alterar o metabolismo. Este modelo aplica-se às abordagens terapêuticas, inclusive técnicas manipulativas osteopáticas, que permitem a restauração da postura e componentes musculoesqueléticos.

O modelo estrutura-função respiratório/circulatório

O modelo respiratório/circulatório refere-se à manutenção dos ambientes extracelulares e intracelulares, por intermédio da liberação desimpedida de oxigênio e nutrientes e pela remoção de produtos residuais celulares. A tensão tecidual ou outros fatores, que interferem com o fluxo ou circulação de qualquer fluido corporal, podem afetar a saúde do tecido. Este modelo se aplica às abordagens terapêuticas, inclusive técnicas manipulativas osteopáticas, com a função de eliminar a disfunção nas mecânicas respiratórias, circulatórias e o fluxo de fluidos corporais.

Para pensar

Por que não simplesmente padronizar tratamentos como a dor lombar na osteopatia?

Cada paciente possui uma capacidade de adaptação individual, específica e inerente que depende de variáveis intrínsecas e extrínsecas distintas que variam desde o biótipo, da saúde geral, do estado ...

VEJA MAIS

Possibilidades

veja mais sobre o tema