Pós-modernismo: você é realmente livre?

Embora a nossa sociedade seja considerada refém da ânsia pelo “espetáculo” e do prazer a qualquer preço, vale a pena pensar se as conquistas dessa quebra de paradigmas também não contribuíram para acelerar um processo crítico na sociedade. Apesar de muitas pessoas viverem sob o imperativo da diversão, a derrocada de preconceitos e ideias cristalizadas permite acessos que antes não eram possíveis. O sujeito do século XIX vivia sob determinações morais, religiosas e sociais muito rígidas. O indivíduo pós-moderno, por outro lado, vive sob a crise do dever de se vender quase que por prazer. A quebra da regra, se não é sadia como obsessão pós-moderna, por outro lado possibilita que os indivíduos passem por experiências diferentes em determinados momentos do percurso individual. Talvez seja de fato uma falácia a ideia de liberdade individual difundida pelo pós-moderno, mas também deve-se reconhecer que, por meio dessa perspectiva de rupturas, encontramos liberdades que antes seriam impensáveis.